Cada show é um culto disfarçado

Rio de Janeiro, 18 de Maio de 2011

Ao olhar um gigantesco cartaz que estava em cima de um túnel na zona sul do Rio (em homenagem ao cantor que ia fazer um mega show no domingo daquela semana), Deus me mostrou algumas coisas muito sérias. No cartaz estava escrito:
“Bem-vindo novamente ao Rio Pôwl Makkartiney!”

Esse cantor é um “ministro de música”. Um “ministro antigo” no mundo. Um homem experiente, que está há muitos anos trabalhando para o sistema, há muitos anos servindo ao sistema como um “canal” de músicas mundanas. Alguém que já fez muito sucesso, que foi “levantado” com muito sucesso, e por isso multidões o seguem aonde ele for.
Suas músicas já ministraram várias gerações. Já liberaram a “unção” delas sobre várias gerações, e ainda hoje (quando alguém as ouve) elas estão sendo “liberadas” com um propósito específico.
Este propósito é de quem, e para quem?

De Deus (e para Deus) é que não é.

Como eu sei disso?
Simples, não será o Senhor Jesus a pessoa adorada naquele lugar.
Os aplausos, a música, e toda a exaltação não estarão sendo direcionadas a Jesus, mas a outra pessoa…
Então eu entendi: Sabe por que aquele cartaz gigante estava ali naquele lugar específico?
Provavelmente porque ali era um dos caminhos que o tal cantor faria para chegar até o hotel onde ele ficava hospedado em Copacabana.
Ou seja, aquele cartaz era “só para ele ficar feliz” quando chegasse ao Rio, era um “mimo” que a “cidade” estava dando a ele…
Ele estava sendo esperado com as honrarias de um grande ministro! De um grande líder! De alguém muito importante para a nação!
E isso dava a ele mais “legalidade” para ministrar, entenderam? (Honra = Autoridade = Legalidade)
Por que dava?
Porque tanto aquele painel gigantesco era uma “aprovação” das autoridades da cidade, como também o “culto” dele era totalmente “aprovado”, consentido, liberado… e então “…Tudo que for ligado na Terra será ligado no…”
Ele fez dois “cultos” em dois dias seguidos… milhares de pessoas foram aos “cultos” dele, havia anúncios daqueles “cultos” em toda parte.
Para o “mundão” era um grande “acontecimento”, e acreditem, muitos “crentes” também aguardaram com muita expectativa, e estiveram lá! Levantando suas mãos e aplaudindo (aplaudindo alguém…)
Assim ele estava recebendo “autoridade” daqueles que POSSUÍAM a autoridade espiritual pela cidade, pelo território, pelos céus espirituais da cidade do Rio de Janeiro…
Para que essa autoridade?
Para ele “ministrar” um “culto de adoração” com música em nossa cidade.
E pra quê esse “culto”?
Para liberar “algo” sobre os céus da nossa cidade. Uma cidade que depois de muitos anos “sem trégua”, estava conseguindo “respirar” um pouco, depois de tanta violência que vinha sofrendo nos últimos anos.
Foram tantas campanhas de orações em tantas igrejas, tantos anos as igrejas declarando “Rio tu és rio de Deus…” finalmente estávamos vendo as orações se manifestarem na dimensão natural:
http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/11/apos-decadas-merce-do-trafico-rocinha-e-ocupada-pela-policia.html

https://oglobo.globo.com/rio/policia-invade-complexo-do-alemao-2919504

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/11/pm-que-recusou-r-1-milhao-de-nem-diz-que-nao-fez-nada-de-anormal.html

Mas o inimigo não estava satisfeito com isso.
O inimigo (diabo) odeia perder território.
Por isso, logo após as vitórias que a cidade conquistou, ele articulou rapidamente um de seus “cultos” sobre o Rio… porque ele precisava “re-invocar” sua horda, trazer a desordem de volta à cidade…
Mas a tomada de território não seria tão fácil, então tinha que ser algo GRANDE, com um GRANDE ministro dele… o diabo sempre faz isso, depois de uma grande conquista do Reino, ele sempre usa a mesma arma: a adoração a ele e invocação dele, disfarçada de “diversão e celebração inocente”. Mas na verdade não é diversão, são cultos.
São “cultos disfarçados” de shows, disfarçados de diversão.
Sim, o mundo espiritual é invocado através da adoração, e ele interage com o mundo natural através da adoração.

Então isso me lembrou uma cena de um desenho da Disney de 1940: “Pinóquio”. Assisti quando era criança, a cena era aquela onde as crianças iam para o “Parque de diversões” na “Ilha dos Prazeres”, e depois de se divertirem muito, depois de estarem completamente ENCANTADAS com todo entretenimento, elas sofriam a consequência do encantamento da poção mágica do “Parque” e se transformavam em jumentinhos-escravos… e então, o dono do parque usava cada jumentinho para servi-lo de forma escrava. Vejam esta sequência do desenho abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=dfQZxYkFOhg&feature=related

Numa das cenas anteriores que se passa num bar (onde o dono do parque está conversando com a raposa) ao falar sobre a tal ilha dos prazeres, ele diz: “elas (crianças) nunca voltam de lá…”
Será que existe alguma semelhança com a vida real?
As “crianças do filme” são como as pessoas “inocentes” de hoje, que acreditam que isso tudo (que estou escrevendo aqui) “não tem nada a ver”.

“Ah, que bobagem isso Sarah, é só uma musiquinha de nada, só um showzinho, não tem nada de mais…”

Essas são pessoas “de bom coração”, pessoas inocentes (ou seria: ignorantes sobre o tema?) que sem má intenção, só querem se divertir… Só querem “curtir o momento”… e de repente, cheias de boas intenções, ficam completamente enfeitiçadas pelo encantamento liberado no local e liberado na suposta diversão…
São pessoas que “nunca voltam de lá”.
(veja a cena onde o dono do parque fala a frase)

http://www.youtube.com/watch?v=_eG0wXNg3_4&feature=related

Nunca voltam pra onde?
Nunca voltam suas vidas para o Reino, para o Rei dos Reis, pelo contrário, elas são influenciadas a desejarem ter apenas as suas necessidades (de prazer, de diversão, de “curtição”) atendidas.
É a tal “idolatria” das vontades = humanismo = a satisfação do homem acima de Deus = satisfação do ser humano acima da vontade de Deus.
Então, voltando ao cantor inglês: aquele “culto” que ele fez naquele domingo era para quem?
Os “louvores” dele foram entoados para quem?
A resposta é:
Aparentemente era só para o homem, para o entretenimento, diversão, e prazer do homem.
O problema é que nós (que já despertamos para a realidade da fonte “inspiracional” das artes e da MÚSICA) sabemos que “algo” estava sendo “liberado”, e “alguém espiritual” estava recebendo a tal adoração… E isso (detalhe) contando com a participação de milhares de pessoas!
Enquanto as milhares de pessoas estavam ali aparentemente se divertindo, na verdade estavam sendo ministradas… estavam em “concordância”, e saíram de lá “diferentes”… como no “parque” do desenho de 1940.

E tem mais uma coisa, lá nesse “culto” também teve o momento dos “dízimos” e das “ofertas”, só que lá era tudo adiantado, lá só entrava se pagasse antes. A oferta O ingresso mais baixo era de 170,00 e chegava até a 700,00 Reais… (isso foi em 2011)
Teve que pagar (adiantado) 700,00 Reais quem quis ter uma visão mais próxima desse “ídolo” da música do mundo.
Acreditem, muitos “crentes-do-nada-a-ver” pagaram para estar lá, e alguns desses crentes que estavam lá nunca ofereceram a Deus um valor (entre 170,00 a 700,00) como oferta em Seu Altar, nunca… (E depois querem repreender o devorador… Como pode?)

A verdade é que muitos que se dizem Cristãos não amam a Jesus o suficiente para abrir mão de certos “prazeres” por Ele, e uma das formas de constatarmos isso é observar os crentes que não querem “abrir mão” da “música do mundo”.
Lembre-se, em Isaías 14 o profeta tem uma visão, e revela que satanás caiu e sua música foi com ele pro inferno, Isaías 14.11-15:

  1. Derribada está NA COVA (INFERNO) a tua soberba, e, também, O SOM DA TUA HARPA; por baixo de ti, uma cama de gusanos, e os vermes são a tua coberta.
  2. Como CAÍSTE DO CÉU, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações!
  3. Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; ACIMA DAS ESTRELAS DE DEUS exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte;
  4. subirei acima das mais altas nuvens E SEREI SEMELHANTE AO ALTÍSSIMO.
  5. Contudo, SERÁS PRECIPITADO PARA O REINO DOS MORTOS, no mais profundo do abismo (INFERNO).

Nem toda música, por mais bonita que pareça aos ouvidos, procede do céu. Deus não retirou do diabo sua capacidade de fazer música, o que Deus tirou dele foi o Espírito Santo e a inspiração divina do céu para a música, mas não tirou a música dele depois que ele se corrompeu.
A música do diabo está com ele, no inferno, corrompida.
Mas lembre-se, e ele é um “mestre” em disfarces, um “mestre” do engano, ele sabe fingir que algo é belo e puro, quando na verdade, não é.
O diabo tem seu “parque de diversões” que se chama: “mundo”, sistema, século (João 12.31), ele é o príncipe (regente) deste sistema, e de tudo que “brota” deste sistema.
Não se deixe enganar por esse “parque”, não se deixe seduzir…

Lucas 21.34: Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as conseqüências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço.

João 16.33: Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.

João 17.11: Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós.

João 17.14: Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou.

Efésios 2.2: nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência;

Efésios 6.12: porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.

Gálatas 1.4: “o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai,”

Precisamos ficar ligados na dimensão do Espírito e orar…
Orar e adorar a Deus intensamente… Isso para “contra-atacar” espiritualmente todas essas “adorações” contrárias a Deus, e para que todas essas “ministrações” não nos atinjam, e não afetem “os céus” da nossa cidade, porque enquanto muitos shows são “cultos disfarçados”, infelizmente, dentro de algumas igrejas, o que acontecem são SHOWS DISFARÇADOS DE “CULTOS”.
Que a Igreja ACORDE e se una em adoração ao Rei e Senhor do Universo!
E que Deus nos ajude a prosseguir sem nos contaminarmos com as iguarias do “parque”.

Paz,
Sarah Sheeva
18.05.2011

As lutas só acabam lá na sepultura…

As lutas acabam na sepultura

 

Sabemos que quando nos convertemos a Cristo e O conhecemos, nós passamos a buscar a verdade em Sua palavra. Então começamos a “levar uma vida Cristã”. (Perceba o detalhe que) nem sempre começamos a “viver uma vida Cristã”, mas começamos sim, a “levar a nossa vida” de uma nova maneira, numa nova condição, sendo agora então, conhecedores da verdade de Cristo. Começamos a passar por um processo de santificação e mudança do nosso caráter, tendo o caráter de Cristo como modelo, e isso tudo em busca de “vivermos verdadeiramente uma vida Cristã”. A partir daí, muitas coisas acontecem, muitas mudanças ocorrem em nós e em toda a nossa vida. E nós então, despertamos para a realidade do mundo espiritual. Despertamos para a realidade da guerra espiritual constante, a qual testemunhamos, queiramos ou não, tenhamos consciência dela ou não. Por causa disso (de admitirmos a existência dessa guerra espiritual) passamos a observar e perceber (como nunca antes) as lutas que enfrentamos, e também as lutas ao nosso redor. Começamos a analisar as nossas lutas pessoais e a observá-las de forma diferente, de forma que nunca havíamos observado antes.
Por incrível que pareça, muitas vezes nós nem percebemos como a conversão mudou a nossa percepção, a nossa maneira de ver a vida, e a partir daí (de não percebermos que nossa percepção mudou), nós (erroneamente) passamos a pensar que, depois de aceitarmos a Cristo e depois de começarmos a nossa caminhada Cristã, as coisas começaram a “piorar” muito em nossas vidas, mas isso não é verdade. A verdade é que fomos nós que finalmente despertamos do “sono” do sistema, e do “sono” da “morte” espiritual. Na verdade, fomos nós que mudamos, não as circunstâncias. As lutas sempre existiram, mas antes, nós não as percebíamos como percebemos agora. Antes, nós éramos escravos, e a nossa vida não pertencia a Deus, mas pertencia ao príncipe do sistema, por isso ele (o diabo) não fazia o menor esforço para percebermos a sua existência ou o seu agir, e nós, por causa da cegueira espiritual, não conseguíamos ver as batalhas espirituais que eram travadas diariamente diante de nós.
Agora é diferente, agora, depois de “despertos” para a realidade, o inimigo não consegue (e não faz questão) de se esconder de nós. Isso porque nós recebemos o poder da oração, recebemos o poder para desmascará-lo e expulsá-lo, e dependendo da situação e do nível de “guerra” que estamos enfrentando, chega a parecer que ele “faz questão” de se revelar a nós, e de nos afrontar.
Então, quando passamos a pensar que nossa vida está “piorando” por causa da nossa conversão a Cristo, estamos na verdade em meio a mesma “guerra” espiritual “de sempre”, mas agora a diferença é que estamos sendo “atacados” pelo inimigo (diabo) de outra forma: com o intuito de nos levar a desistir de “lutar”. Somos repetidamente levados a pensar que, agora que estamos com Cristo, a nossa vida piorou, e as coisas estão ainda mais difíceis… A nossa alma se abate, e ficamos CANSADOS de tanta “guerra”…
Mas porque ficamos cansados?
É porque agora nós somos diferentes de antes. Antes nós éramos ignorantes, não enxergávamos a “guerra”, e por isso tínhamos a IMPRESSÃO que ela não nos atingia… Mas era só impressão.
Porém, agora que nós sabemos (aprendemos) a interagir com ela, agora, o dia-a-dia em meio a “guerra” espiritual nos cansa… Terminamos os dias fisicamente e emocionalmente mais cansados… Porque?
Logicamente é porque ao deixaRmos de ser ignorantes nas “batalhas” espirituais do dia-a-dia, deixamos de ser indiferentes e “passivos”, deixamos de ser inativos, deixamos de ser vítimas fáceis do inimigo, e passamos a ser “ativos” e valentes guerreiros de Deus, conscientes do poder e das promessas… Passamos a nos esforçar para tomar posse do Reino dos céus. O problema é que toda essa “ação” (que exige de nós mais esforço no dia-a-dia) conseqüentemente nos cansa. Porque? Porque todo esforço cansa. Não que isso nos cause mal, mas todo esse “movimento” espiritual nos deixa mais ligados, atentos, menos relaxados, e conseqüentemente mais cansados no final de um longo dia de trabalho.
Por causa desse cansaço (normal para qualquer valente guerreiro) a nossa alma enganosa e corrupta tende a se abater, e começar a buscar “fugas”. Ela busca “fugas” nos entretenimentos desta vida, nas diversões que existem por aí, no lazer, nas distrações, e em tudo o que o mundo puder lhe oferecer… Não que não devamos ter momentos de lazer, não é isso. É que a alma foge das lutas (que precisa enfrentar) através de tudo o que ela consegue. A alma tenta resolver os problemas dela sozinha, sem a ajuda de Deus, e por não conseguir, ela começa a pensar em desistir. A alma quer viver sem lutas e ao mesmo tempo quer levar uma vida “sossegada”. Ela esquece das palavras de Jesus em Mateus 6.33:

“buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”

Ou seja, não há outro meio de obtermos vitórias, e de sermos supridos em todas as nossas necessidades, se não buscarmos a Deus em primeiro lugar.
A alma é preguiçosa, ela não quer se esforçar.
Mas a Palavra diz que o Reino é conquistado por esforço (e em algumas traduções diz “por violência”):

Mateus 11.12: “Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele.”

É por isso que a alma não pode estar no governo da nossa vida Cristã, porque ela se abate com muita facilidade. Mas o Espírito Santo precisa nos governar, porque Ele nunca se abate… Ele é inabalável!

A Palavra diz que o Senhor nos dá a vitória nas lutas e nas batalhas…
O problema é que, a partir do momento que vencemos as lutas de hoje, as lutas deste ano, as lutas do momento… simplesmente não queremos mais ter lutas! A nossa alma-enganosa é assim!
E é justamente isso que muitos Crentes não percebem.
Muitos não percebem como o mundo (sistema) influencia sua alma, e por isso não “deixam” o mundo (sistema), não se guardam de certas “ministrações” que o mundo possui, oferece, de certos movimentos (BigBroth… ou melhor, BigMorte) que existem no sistema, entre outras coisas.
E é por isso que muitos Crentes tem uma expectativa totalmente errada sobre a vida Cristã, esses irmãos esperam: NÃO TER MAIS LUTAS.
Pode uma coisa dessas?
Onde estamos com a cabeça meu Deus? Como pode um Crente (eu mesma já pensei assim viu…) pensar que, após ele vir para o Senhor…ele não terá mais lutas… Como assim?
Isso não é bíblico.
Jesus nunca nos disse que não teríamos lutas neste mundo, pelo contrário, muitas vezes Ele nos alertou para que estivéssemos atentos às lutas e às tentações que enfrentaríamos.
Veja as palavras de Jesus em João 16:

1. Tenho-vos dito estas coisas para que não vos escandalizeis.
2. Eles vos expulsarão das sinagogas; mas vem a hora em que todo o que vos matar julgará com isso tributar culto a Deus.
3. Isto farão porque não conhecem o Pai, nem a mim.
4. Ora, estas coisas vos tenho dito para que, quando a hora chegar, vos recordeis de que eu vo-las disse. Não vo-las disse desde o princípio, porque eu estava convosco.
5. Mas, agora, vou para junto daquele que me enviou, e nenhum de vós me pergunta: Para onde vais?
6. Pelo contrário, porque vos tenho dito estas coisas, a tristeza encheu o vosso coração…
(E o capítulo 16 termina com Jesus dizendo assim):
33. Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.

Mas Jesus também nos disse que receberíamos dEle poder para pisar “serpentes e escorpiões” (Lucas 10.19: “Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano.”)

E Paulo também afirmou que seríamos mais que vencedores em todas as coisas:  (Romanos 8.37: “Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.”)

Por isso, sabemos que teremos vitórias… e mais vitórias em Cristo! Porém…
A cada vitória que Deus nos dá (sobre cada luta que temos) a nossa alma enganosa e corrupta tem a tendência a se acomodar, a “descansar”…
Digo descansar, não no sentido positivo de ter as forças reparadas por uma boa noite de descanso, ou por um tempo de descanso específico, mas no sentido negativo, no sentido de “descansar” das batalhas, esmorecer, PARAR.

Tem horas que realmente dá VONTADE de parar, de largar tudo… Porque?
É porque a nossa alma (que é a sede das nossas vontades) ACREDITA que SE pararmos será “mais fácil” viver.
A alma (coração, mente) é enganosa… Não devemos confiar nela de jeito nenhum… Ela acredita que sabe das coisas, e fica nos dizendo que, se pararmos, a vida ficará mais fácil. Mas isso não é a verdade.
A verdade é que NÃO ADIANTA pararmos, não adianta largarmos tudo, pelo contrário, é nessa hora que a gente precisa lutar!
A alma acredita que parando de obedecer ao Espírito, e obedecendo aos sentidos/vontades (dela), as coisas vão melhorar… Mas é mentira.
A (nossa) alma mente para nós, porque ela quer estar no controle das nossas vidas, ela não quer obedecer a Deus. E o diabo sabendo disso, se aproveita dessa nossa fraqueza, e vem nos atacar bem aí na hora que estamos cansados de obedecer, na hora que estamos cansados de negar o nosso querer… Mas é nessa hora que a gente precisa lutar! Justamente nessa hora é o momento de se humilhar e buscar a face de Deus!

Não devemos parar nunca. E também não devemos nos queixar das lutas que temos (eu que o diga!). E porque não devemos murmurar?
Porque, por mais incrível que pareça, as lutas nos ensinam algo muito precioso, algo que nada mais pode nos ensinar, elas nos ensinam a manter nossos olhos “fixos” firmemente no Reino dos céus, na eternidade, e não no sistema (mundo). São as lutas que não nos deixam “descansar”, esmorecer, parar… São as lutas que nos mantém fora da “zona de conforto” do “atraente mundão”, do sistema (deste século).
As lutas nos mantém despertos! Elas nos ajudam a “odiar o sistema”.
Disse Jesus:

João 12.25: “Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna.”

As lutas nos ajudam a não “amarmos” a vida no sistema, a não nos acomodarmos com os entretenimentos desta vida.
Mas não é fácil… a nossa alma reluta em aceitar ou viver isso…
Por exemplo, por um lado, queremos as vitórias do Senhor sobre todas as nossas lutas, queremos um pouco de sossego… mas por outro, quando recebemos a vitória, nos ACOMODAMOS no sossego e “baixamos as armas de guerra” que nunca deveríamos baixar.
Esse é o motivo pelo qual Deus muitas vezes não pode nos dar certas “vitórias”, porque Ele sabe que “aquela” determinada “vitória” que buscamos vai nos tornar tão acomodados, tão sossegados, tão distraídos com este mundo, que possivelmente pode até nos desviar do caminho e da vontade dEle para nós.
Porque?
Porque enganoso e desesperadamente corrupto é o nosso coração (alma). (Jeremias

17.9: Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?”)

Lembro sempre de uma frase do Pr. Eber Rodrigues:
“Muitas vezes, a tua aparente derrota é na verdade, a vitória de Deus na tua vida!”
Temos sempre que perguntar a nós mesmos o seguinte:

“Será que sempre terei de estar na MESMA luta para não me deixar desviar nem para a direita nem para a esquerda, e continuar firme na vontade de Deus? Será?”
“Ou será que vou aprender a me submeter e obedecer a vontade de Deus, mesmo que minha alma relute, e vou crucificá-la com Cristo, para experimentar qual seja a boa, agradável e perfeita vontade dEle para mim?”

Há muitas verdades sobre as lutas, e uma delas é que: as lutas não acabam, MAS elas com certeza MUDAM.
Cada vez que Deus “encontra” condições (em nós) de nos dar uma determinada vitória, novas lutas surgirão (na mesma ou em uma nova batalha).
Não que essa seja a vontade de Deus, mas faz parte desta vida.
Judas disse que teríamos que batalhar até pela Fé que nos foi entregue:

Judas 1.3: “Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos.”

Portanto, as lutas não vão acabar, Mas…
Mas nós podemos mudar nossa maneira de encarar as lutas!
Nós podemos aprender a lidar com elas! E o primeiro passo é parar de ter medo delas, e enfrentá-las:

Isaías 41.10: “não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.”

Deuteronômio 31.8: “O SENHOR é quem vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes.”

Josué 1.9: “Não to mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o SENHOR, teu Deus, é contigo por onde quer que andares.”

Jeremias 1.8: “Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o SENHOR.”

Não temas! Enfrente as lutas no poder e na força do Senhor!

É como diz um ditado muito usado no futebol: “A melhor defesa é o ataque…”
E a cada luta que vencermos, precisamos estar “preparados” para as novas lutas que surgirão, ao invés de esperarmos que as lutas simplesmente acabem, ou “desapareçam” das nossas vidas.
Se viemos buscar a Deus em busca de não ter lutas, precisamos encarar que isso  não existe!
Só existe um lugar onde as lutas acabam: no cemitério… Lá não tem luta nenhuma!
As lutas acabam na sepultura… E apesar de termos convicção da nossa salvação em Cristo Jesus, ninguém quer ir pra sepultura!

Mais uma vez eu friso: devemos buscar a vitória em cada luta sim! Mas não devemos buscar NÃO TER mais lutas.
Esta vida no mundo/sistema é assim: cheia de lutas e batalhas… Mas para os santos a vida também é cheia de vitórias!
Esse é o equilíbrio da alma de um valente guerreiro de Deus.

Vai chegar um momento em que vamos poder dizer: “As lutas que tínhamos há cinco anos atrás não temos mais hoje…” ou então “Não tenho mais ESSAS lutas, hoje em dia minhas lutas são OUTRAS…”
Elas mudaram…
Enquanto estivermos vivos “ainda existe uma cruz”, a porta é estreita e o caminho apertado…
Viver é desafiador! Mas é um presente que recebemos do Pai Celeste! Ele nos deu a chance de viver e de escolher se “um dia” vamos querer viver eternamente com Ele!
Eu tenho feito a minha escolha por Ele todos os dias desde Outubro de 1997,
e você?
Está consciente do presente, da grande oportunidade de escolha que é a tua vida?

Eclesiastes 9:

4. Para aquele que está entre os vivos há esperança; porque mais vale um cão vivo do que um leão morto.
5. Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento.
6. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.
7. Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe gostosamente o teu vinho, pois Deus já de antemão se agrada das tuas obras.
8. Em todo tempo sejam alvas as tuas vestes, e jamais falte o óleo sobre a tua cabeça.
9. Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol.
10. Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque no além (ou sepultura), para onde tu vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.

Faça da tua vida um instrumento nas mãos de Deus!
Faça a obra dEle com dedicação e amor!
Tudo que te vier a mão para fazer, faça por Ele!
Valorize a tua vida! E valorize (enxergue o valor de) cada luta que você tem!
Enxergue a sabedoria de Deus nas lutas!
Enxergue a oportunidade de crescimento em cada luta!
Deus está no controle da vida de seus servos!

Que Deus te abençoe!
Sarah Sheeva
24.02.2011

O Ser Humano e suas Vontades Descontroladas

O ser humano e suas vontades descontroladas

Outro dia eu estava lendo as notícias na internet e me deparei com algumas notícias horríveis sobre pedofilia, abuso sexual de crianças e de adolescentes. Eu estava analisando tudo isso, pensando em como o mundo/sistema em que vivemos está perdido, e em como o ser humano está cada vez mais alienado de Deus e da Verdade.
É impressionante como as pessoas estão cada vez mais mergulhadas no sistema, cada vez menos interessadas no (verdadeiro) Reino dos Céus, cada vez menos interessadas nas coisas eternas que “a traça e a ferrugem” não corroem, e que “ladrões” não conseguem roubar. (Mt 6:19,20) Casos como o da francesa Lygia Gouardo, ou das austríacas Natascha Kampusch e Elizabeth Fritzl, ainda nos horrorizam. Mas são tantas outras histórias… Madeleine McCann foi apenas uma entre milhões de crianças que desaparecem diariamente, sem jamais serem encontradas. Casos horripilantes vem a minha memória enquanto escrevo, como o dos pedófilos-assassinos belgas Michel Fourniret e Marc Dutroux. Me lembro quando, há alguns anos atrás, tive o conhecimento desses crimes (principalmente do caso Dutroux), chorei por uns 3 dias, fiquei sem dormir, orei e clamei a Deus não só por aquelas crianças, mas para que Ele me ajudasse a viver e a cumprir o chamado nessa terra, para que Ele me ajudasse a fazer a diferença num mundo tão caído e tão corrompido como este.
As vezes, ao ler coisas horríveis como os casos citados, parece que será impossível cumprirmos qualquer missão nessa terra.
Hoje, estava lendo os casos recentes que aconteceram em Luziânia-GO, que também denunciam esse tipo de horror em nosso país. http://www.sinpolgo.org.br/v2/index.php?option=com_content&task=view&id=231&Itemid=28

Sem dúvida, esses crimes revelam a ação de mentes psicopatas, mas além disso, todos esses crimes também revelam algo que, cada vez mais, tem chamado a minha atenção:
O mundo(sistema) tem nos “bombardeado” com um ensinamento muito maligno:
O “culto à auto-satisfação” e a “realização-das-nossas-vontades-acima-de-tudo”. Esse tipo de ensinamento nos “bombardeia” em forma de mensagens e valores difundidos pelo sistema.
O “certo” tem sido “divulgado” como o “errado”, e o “errado” tem sido ensinado como “certo”. Esses ensinamentos de valores errados tem destruído a vida de muitas pessoas, e essa destruição tem acontecido ainda na infância.
Ainda que não seja uma regra, sabemos que crianças que sofreram abusos, freqüentemente se tornam abusadores quando adultos. Isso é uma coisa realmente terrível de se imaginar, já que tantas crianças tem sido abusadas. Será que esses se tornarão futuros “abusadores” também?
Em nosso país, as notícias sobre pedofilia e abuso de crianças tem revelado uma triste realidade: A pedofilia e o abuso infantil acontecem com freqüência em milhões de lugares, mas só agora (em virtude de denúncias de casos já existentes, que é reflexo de uma mudança de comportamento da sociedade e da consolidação de ferramentas de combate aos crimes dessa natureza) é que está começando a ser divulgada (a fundo) a realidade desse problema no Brasil.
Porém, sem querer ser pessimista, e sim realista, eu acredito que o que estamos vendo e ouvindo nas mídias é apenas a pontinha desse “iceberg” chamado Pedofilia e abuso infantil.
http://www.soscriancaeadolescente.com.br/index_novo.php?pagina=noticia&id=1111111695

Pensando sobre isso, sobre o que leva um ser humano adulto, aparentemente sadio, a cometer tais crimes contras crianças inocentes, pesquisei um pouco sobre as descobertas de possíveis soluções para o problema global da pedofilia, e percebi que, além da castração química, ainda não foram descobertos tratamentos eficazes contra esse tipo de vontade maligna: o desejo sexual por crianças.
Penso que o grande problema de nossos dias, e possivelmente o nº1 e grande causador de todos os problemas que enfrentamos como sociedade, e grande causador de todos os problemas em todos os nossos relacionamentos é:
A falta de conhecimento e de domínio sobre as nossas vontades.
E em 2º lugar como grande causador dos nossos problemas, acredito que é:
A falta de conhecimento sobre o quanto o mundo (sistema) nos induz e gera em nós VONTADES malignas, através de seus ensinamentos.
Lidar com as vontades não tem sido um assunto discutido como deveria ser por todos, principalmente pelos verdadeiros cristãos (digo “verdadeiros” para que fique bem claro que há – como em todos os setores – bons e maus, verdadeiros e falsos.
E em nosso meio – cristão – não é diferente).
Independente da crença ou religião, o tipo de ser humano que “só faz o que quer” sempre vai ter problemas sérios na vida, seja de qual natureza for, a vida de um indivíduo que “só faz o que quer” passa a ser problemática e muito ruim a partir de algum momento.
Penso que pelo menos no meio cristão, “Lidar com as vontades” deveria ser um assunto mais trabalhado e discutido, já que na Bíblia (que é fonte da verdade teológica para nós cristãos) diz que o mundo (sistema) jaz no maligno (1Jo 5:19), e que o mal personificado (o diabo) é o príncipe deste mundo (sistema). (João 12:31, 14:30).
Perceba, passe a observar como o mundo (sistema) nos induz a um “culto” as nossas vontades, a “idolatria do nosso querer”, a buscar a felicidade através da auto-satisfação, e de “fazer o que se tem VONTADE”.
A cultura de que “ser livre e ser feliz é = fazer o que dá na telha” ainda é amplamente difundida através do humanismo enraizado no sistema. Essa é a principal “mensagem” e mentira do mundo (sistema): “faça o que você quiser, faça o que você tiver vontade, e aí você será livre e feliz, mesmo que para isso você precise passar por cima do direito (e da vida) dos outros”. Mas nós sabemos que essa não é a verdade sobre a felicidade, nem sobre a liberdade. Pois muitos são os que só fazem o que querem, e mesmo assim não são felizes… Muito menos livres.
Eu diria que, a psicopatia de muitos dos criminosos citados anteriormente, é alimentada e “agravada” por esse problema de “fazer o que quer” em busca da “auto-satisfação” que a humanidade vem seguindo e difundindo inconscientemente.
Acredito até que a falta de limites gerada por essa crença/comportamento (de fazer o que quer) gera muitos desses psicopatas, pois é desde cedo que se aprende a lidar com o “não”, com o limite das coisas. É desde cedo que se aprende a respeitar o direito do outro. É desde pequeno que se aprende a dominar os impulsos e vontades erradas, e isso não tem sido ensinado desde cedo como deveria.
A “auto-satisfação-acima-de-tudo” é um grande problema hoje em dia. As pessoas estão se acostumando a confundir prazer, sensação e emoção com felicidade, estão acreditando que prazer e auto-satisfação física (de qual natureza for) vão trazer a felicidade. Mas a felicidade vai muito além de um momento de prazer e satisfação física, vai muito além de uma descarga química no corpo, felicidade vai além de sensações.
https://sarahsheeva.wordpress.com/2010/10/19/572/

As pessoas (especificamente os cristãos) não tem sido ensinadas a “negar as suas vontades” no dia a dia. Não tem sido ensinadas sobre uma grande verdade:
Que nem tudo que nós temos vontade é bom, ou faz bem. Pelo contrário, as vezes temos vontade pelo pior.  Infelizmente, não vemos essa mensagem se alastrar.
https://sarahsheeva.wordpress.com/2008/04/10/o-que-e-ser-livre/

Em minha caminhada ministerial tenho visto que muitas pessoas recebem ensinamentos de um “cristianismo humanista”, ensinamentos que nem de longe se parecem com o verdadeiro cristianismo ensinado por Jesus. E isso tem acontecido porque o “humanismo gospel” tem se espalhado pelo povo de Deus em todo o mundo.
No humanismo o ser humano e sua satisfação são o “centro” de tudo. Veja como a cultura do “culto à auto-satisfação” e da “realização-das-vontades-acima-de-tudo” está sutilmente inserida nos princípios ensinados em uma das linhas do Satanismo:
(Fonte Wikipédia):
O satanismo é uma seita centrada em torno de Satã, seja através de uma divindade identificada como Satã, seja através da utilização do termo Satã como arquétipo, representando as forças da natureza, em particular da natureza humana. A primeira definição encontra-se no chamado Satanismo tradicional ou Teísta. Ao contrário, o denominado Satanismo LaVey foca a sua atenção no avanço hedonista do indivíduo, em vez de a focar na submissão a uma divindade ou a um conjunto de códigos morais. Contudo, existem outras formas de satanismo na sociedade contemporânea, diferentemente da formulação de LaVey.
Obs:hedonismo: (grego hedonê, -ês, prazer, alegria, desejo + -ismo) s. m. Doutrina filosófica que faz do prazer o objeto da vida.
(Fonte: http://www.priberam.pt/DLPO/default.aspx?pal=hedonismo )

Princípios do satanismo: Em uma das linhas do satanismo cada ser vivo é o seu próprio Deus e governante, cada um é responsável pelos seus atos e o seu modo de ser. Cada um é o seu próprio sacerdote, salvador e Deus. Alguns casos há efetivamente o culto a uma entidade espiritual, que pode ser denominada por satã ou receber outro nome. Em outros casos, o que é rejeitado é a idéia de culto a algo externo à pessoa. O que se busca é a expressão da plena liberdade e responsabilidade da pessoa por si mesma. Outro aspecto é se o movimento utiliza-se de rituais, com caráter religioso próprio, ou se está fundamentado numa atitude filosófica e prática. O predomínio de um ou outro aspecto caracteriza diferentes movimentos satanistas.
(Fonte Wikipédia)

Ou seja, o humanismo (a crença de que o ser humano é o “centro”, a crença de que o mais importante é a realização do ser humano) tem muito em comum com algumas linhas do satanismo, cuja doutrina diz que o prazer (a auto-satisfação) é o principal objetivo da vida humana.
Não posso negar que tenho visto “humanismo gospel” em muitas igrejas pelo Brasil. É claro que não são todos que apresentam esse pensamento e comportamento, mas são muitos mesmo, a maioria. São irmãos e irmãs que, por falha da liderança, aprenderam um “cristianismo errado”. São irmãos que nunca foram confrontados nessa área.
Infelizmente tenho visto essa realidade. Muitos irmãos crentes já estão tão “contaminados” pela “cultura” e pelas VONTADES do mundo (sistema), já estão tão contaminados com a teologia “humanista gospel” do sistema, que nem percebem mais o quão distante dos ensinamentos (e da essência) de Jesus é esse tal pensamento (e conduta) de “fazer o que quer”, ou de “só fazer o que se tem vontade”.
Jesus ensinou outra coisa, completamente diferente disso.
Ele disse que para segui-lo era condicional, era necessário (primeiro) negar-se a si mesmo (negar as próprias vontades), tomar a sua cruz (assumir e obedecer a direção de Deus, ainda que nos seja desagradável), para só então, poder segui-lo (Mateus 16:24).
Veja bem, não confunda isso com salvação em Cristo.
Não estou falando de salvação, que é de graça, que não pode ser comprada por nenhuma das nossas atitudes, e que só acontece quando nós verdadeiramente CREMOS nEle, e O confessamos como nosso Senhor (Dono) e Salvador. Não é disso que estou falando.
Mas estou falando de algo que é condicional enquanto estivermos nesta “dimensão”.
Que “dimensão”? A dimensão da matéria e do tempo (onde ainda precisamos desse corpo físico para andarmos aqui, e onde ainda precisamos desse corpo físico para nos comunicarmos uns com os outros).
Não estou falando de Salvação, estou falando de algo que é “condicional” enquanto ainda não estamos vivendo 100% na dimensão da Eternidade.
O que é “dimensão da Eternidade”?
É o lugar onde as coisas espirituais operam, onde fica o Reino, onde não precisamos desse corpo físico.

Outro dia ouvi de uma pastora amiga minha (PrªEzenete), algo interessante: “Muitos irmãos tem Cristo como seu Salvador, mas não O tem como seu Senhor e Dono…”
Ou seja, muitos querem a “Salvação” mas não querem que Deus “mande” em suas vidas.
Quando Ele é o teu Dono, Ele manda em você. Foi por isso que Jesus disse:
“Quem quiser andar comigo, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me…” (Mt 16:24)
Ou seja, “faça o que eu digo, e não o que você quer!”
Afinal, a vontade dele é boa, perfeita e agradável…
Também foi por isso que Ele disse em Mateus 7.21:
“Vai entrar no reino dos céus (somente) quem faz a vontade do pai (celestial)…” e não quem faz o que quer…
Fazer o que queremos NÃO É BÍBLICO, e não é seguro para as nossas vidas.
Precisamos aprender esse ensinamento rápido, antes que o mundo (sistema) nos cegue, nos tape a visão com as suas ofertas e manjares, pois a felicidade não está ligada a eles (manjares), e sim ao cumprimento da vontade de Deus em nós.
https://sarahsheeva.wordpress.com/2010/03/20/agrada-te-do-senhor-5/

Toda vontade quando não pode ser controlada é um perigo, porque provavelmente ela (vontade descontrolada) já “nasceu” de forma errada. Precisamos praticar o domínio-próprio, aprender a dizer não para a nossa carne (carne=alma+corpo), e aprender a ouvir a voz do Espírito Santo.
Mas como saber se aquilo que estamos “ouvindo” provem de Deus e não de nós?
Resposta: Tudo que vem dEle está alinhado com a Sua Palavra (Bíblia).
A Bíblia está repleta de relatos e histórias onde Deus interage com o ser humano. E em cada ação e reação de Deus, podemos ver como Ele pensa, o que o agrada, e o que o entristece. Assim, podemos então conhecer a Sua vontade.
Foi por isso que Jesus disse:
“…Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus.” (Mt 22:29)
Jesus também disse em Marcos 12:24 que nossos erros provem de não conhecermos as Escrituras.
Se conhecermos a vontade de Deus, a personalidade de Deus, o caráter de Deus… Então conheceremos a vontade dEle, e poderemos praticá-la.   Isso revelará que nós não somos “humanistas”, mas que somos “teocentristas”!
Isso revelará que Deus é o centro, e que Deus está no centro de tudo em nossas vidas! E por causa disso, nós nunca seremos pessoas que tem vontades descontroladas, pelo contrário, nós seremos pessoas controladas pelo Espírito de Deus, pessoas transformadas, cuja vontade é boa, perfeita e agradável.
“E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2)

Que Deus os abençoe,
Paz! Sarah Sheeva

Ouça a Palavra “A Raiz do Humanismo” no Youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=PrSm0JCsX04&p=F830C64A7989B36E&playnext=1&index=8

 

Felicidade

Vou compartilhar um pouco do que foi ministrado ontem lá em Taboão da Serra-SP.
Foi muito forte tudo o que Deus fez lá… Falamos sobre a Felicidade, pela busca do ser humano por ela… todos estão em busca dela. Pessoas fazem de tudo em busca dela… Mas apesar disso, só uma minoria é feliz. Porque?
Porque nós confundimos Felicidade com Prazer, Felicidade com sensações, Felicidade com emoções…

Por exemplo, Felicidade não é alegria, alegria é uma “emoção”, a alegria pode ser passageira…
mas a Felicidade não, ela é CONSTANTE.
A Felicidade é um estado constante interno, ela não pode ser abalada por nada EXTERNO, porque?
Porque “vencer” é: “vencer por dentro”.
Não é externo… é algo que recebemos dentro de nós.
“Vencer” tem a ver com realização, com o cumprimento do propósito da tua existência… pra que você existe?
Você nasceu com um propósito!
A Felicidade tem a ver com o cumprimento do motivo/propósito da tua existência!
Você precisa descobrir qual é o motivo da tua vida…
A Felicidade não é um “tesouro” físico, é algo que a “traça e a ferrugem” não corroem, e os “ladrões” não podem roubá-la…
Felicidade é algo que vem do Reino, não vem do sistema/mundo. Por isso Jesus disse para não ajuntarmos coisas de “valor” aqui nesta dimensão, porque tudo aqui acaba.
Mas a Felicidade não, ela é eterna… porque ela é um tesouro do Reino, um presente dado pelo Rei a nós…
Mas o Rei não dá este presente a quem não pertence ao Seu Reino, Seu domínio, Seu Governo… porque esses são “democratas espirituais”.
O Rei tem o direito de dar o “presente” dEle a quem Ele quiser, Ele é o Dono!
Então Ele escolheu dá-lo a quem pertence a “monarquia espiritual” dEle,
Ele escolheu dar o presente da Felicidade a quem está debaixo do Seu governo, do Seu Reino… É assim que funciona o mundo espiritual…
Quem é da “monarquia espiritual” é “teocentrista”, mas quem é da “democracia espiritual” é “humanista”.
O humanista é dono das suas coisas, mas o teocentrista não.
O teocentrista sabe que TUDO pertence ao Rei, que o Rei é o DONO de tudo!
É isso que eu chamo de “monarquia espiritual”.
Você sabe porque a monarquia não funciona no plano natural? (Ela só funciona no mundo espiritual…)
É porque o ser humano não consegue ser totalmente “justo”.
O coração do homem é enganoso e desesperadamente corrupto (Jer17.9), por isso a justiça dos homens é falha.
Mas a justiça do Rei Jesus é perfeita!
Ele nunca falha!
Ele é Fiel, Bom e Justo!
Podemos confiar na “monarquia espiritual” do Rei dos Reis!
O Rei é o Dono desse tesouro chamado Felicidade.
A Felicidade é um “presente” que não está a venda, só pode ser ganha!
Só o Rei pode dá-La a quem Ele quiser!
Você quer?

Paz! Sarah Sheeva
19.10.2010

A Comunicação é uma Arte

Trecho do Livro: “Onde Foi Que Eu Errei?” (Capítulo 15:)

A falta de Comunicação
“Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça.”
(Marcos 4:23)

A comunicação é uma arte.
A arte de se fazer entender
A arte da transmissão.
A arte de transmitir entendimento, de transmitir um pensamento, de transmitir um raciocínio.
A arte de formar (preparar) mentes, A arte de ensinar.
Segundo o dicionário: Acto, efeito ou meio de comunicar; participação; aviso; informação; convivência; trato; lugar de passagem de um ponto para outro; comunhão (de bens); atribuição mútua das propriedades da natureza divina à natureza humana de Cristo.
Pessoas de boa comunicação são aquelas capazes de retransmitir a mensagem que receberam de uma forma ainda mais clara.
As pessoas que aprendem a se comunicar bem, levam a mensagem aos confins da terra. Não há limites para elas.

A Torre de Babel
(Gênesis 11: 1-9)

“Ora, em toda a terra havia apenas uma linguagem e uma só maneira de falar. Sucedeu que, partindo eles do Oriente, deram com uma planície na terra de Sinar; e habitaram ali. E disseram uns aos outros: Vinde, façamos tijolos e queimemo-los bem. Os tijolos serviram-lhes de pedra, e o betume, de argamassa. Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra. Então, desceu o SENHOR para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificavam; e o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm a mesma linguagem. Isto é apenas o começo; agora não haverá restrição para tudo que intentam fazer. Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que um não entenda a linguagem de outro. Destarte (portanto), o SENHOR os dispersou dali pela superfície da terra; e cessaram de edificar a cidade. Chamou-se-lhe, por isso, o nome de Babel, porque ali confundiu o SENHOR a linguagem de toda a terra e dali o SENHOR os dispersou por toda a superfície dela.”

Tudo começou na Torre de Babel…
O entendimento do que a boa comunicação é capaz de fazer. Lá não havia limites para o homem por causa da boa e perfeita comunicação. Mas o homem se envaideceu, e quis exaltar o seu próprio nome, por isso Deus permitiu que a (naturalmente) perfeita comunicação (que existia entre as pessoas) fosse destruída. A partir dali a comunicação se tornou difícil. Passou a ser um desafio para o ser humano.
O diabo investiu desde o início contra a nossa comunicação. Ele sempre investiu em destruir a nossa comunicação com Deus, com nós mesmos, e uns com os outros. Ele sempre trabalhou para confundir… Ele entrou “no meio”. Um dos significados da palavra diabo é “aquele que entra no meio”. Ele inventou as meias-verdades…(Gn 3:4-5). É o pai da mentira… (João 8:44)
O diabo tenta o tempo todo interferir na nossa comunicação. Ele sabe que se nós nos comunicarmos bem, se não houver interferências, nós iremos cumprir exatamente o que Deus quer que façamos. Por isso ele tenta o tempo todo destruir a nossa boa comunicação, principalmente a comunicação nos relacionamentos pessoais, sentimentais, familiares.

A comunicação é uma grande arte… é um grande desafio nas nossas vidas… precisamos aprender a nos comunicar uns com os outros… Mas antes, precisamos aprender a nos comunicar (em primeiro lugar) com Deus (porque sem essa comunicação nossa vida fica vazia, sem direção e sem propósito).    E depois, precisamos aprender a nos comunicar com nós mesmos.
Tem gente que não se comunica bem nem consigo mesmo… Não sabe nem o que quer, nem o que realmente precisa… Não se entende… Não entende nem o que se passa na própria cabeça. Não entende seus próprios pensamentos.
A cabeça dele(a) é confusa… ou seja, emocionalmente não há boa comunicação nem consigo mesmo…
Nós precisamos conversar com nós mesmos.
Não estou falando de ficar tagarelando sozinho(a), não é isso.
Estou falando de “gerenciar” nossos pensamentos, e conseqüentemente, nossas emoções.
Isso porque a nossa alma é terrivelmente influenciável pelo mundo exterior, e pelas coisas superficiais da vida.
A todo tempo temos que vigiar, e dizer a ela (alma) o que é certo, e o que é errado, dar a “voz de comando”, para que ela obedeça ao Espírito, para que ela não governe a nossa vida, para que a nossa vida não seja governada (dirigira) pelas emoções, mas que seja governada pela vontade de Deus pra nós.
Quando uma pessoa está ferida, “enferma” na alma, parece que a comunicação dentro dela mesma é cortada. Ela fica cabeça-dura, vingativa… ignorante… parece que perde a inteligência.
As feridas “emburrecem” as pessoas…
Enquanto não perdoamos, ficamos burros mesmo. É impressionante. Agora eu entendo ainda mais o versículo que diz:

“…Porque a boca fala do que está cheio o coração.”
(Mateus 12:34 b)

Uma pessoa curada na alma está com o coração cheio de cura, de perdão. Essa pessoa fala coisas boas, porque seu coração está cheio de coisas boas. A palavra “coração” na Bíblia, geralmente se refere à alma (as nossas vontades, desejos, à nossa mente) por isso que se diz:
“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?”
(Jeremias 17:9, Revista e Atualizada)
Ou seja, enganosa é a nossa alma, as nossas vontades, os nossos pensamentos (são os pensamentos que geram as vontades). Eles são enganosos, traiçoeiros. Muitas vezes eles nos traem… ou seja, a nossa comunicação com nós mesmos já é, por si só, um desafio enorme.
Às vezes não conseguimos entender porque temos um determinado desejo, principalmente se o desejo for ruim. Às vezes tratamos as pessoas mal, mas não sabemos o porque. Agimos impulsivamente, ou de uma forma agressiva com quem mais amamos… e só depois percebemos o que fizemos. Isso é um exemplo da dificuldade de comunicação que temos com nós mesmos. Não sabemos os “porquês” das nossas ações e atitudes, e muitas pessoas simplesmente vivem assim, se acomodam nessa condição “ignorante” sobre si mesmo. Não podemos aceitar isso. Precisamos saber os motivos das nossas atitudes. Precisamos discernir as nossas motivações. Precisamos nos conhecer, nos enxergar…
Primeiro precisamos ter uma boa comunicação “interna”, para depois conseguirmos nos comunicar com o mundo exterior. Se você não se entende, não vai se comunicar bem com ninguém. Se você não perdoa, também não vai conseguir se comunicar bem. Isso porque dentro de você está tudo confuso. Feridas, mágoas, e falta de perdão, deixam qualquer pessoa confusa, ainda que ela não tenha consciência disso, mas a comunicação com as pessoas mais próximas dela (onde o relacionamento exige intimidade e amor) fica comprometida, porque “a boca fala o que o coração está cheio”.
O ataque do diabo que recebemos na nossa comunicação, é de acordo com quem nós somos em Deus, quem nós somos no mundo espiritual. Esse ataque nunca cessa. Quanto maior a sua “estatura” no mundo espiritual, maior o ataque na área da comunicação na sua vida. Não estou falando de estatura natural, física, de tamanho de ministério, de fama, ou de alcance de público, mas estou falando de uma pessoa que não se mistura com o que é errado. Estou falando de “um sacerdote” que “só come do altar”, e que não se alimenta do mundo. Estou falando de uma pessoa de caráter exemplar, que expressa o caráter de Cristo. Uma pessoa verdadeiramente grande no mundo espiritual. Gosto da definição que o Pr. José Rodrigues dá em seu livro (“A Ação da Cruz”, Editora Missão Cristã Mundial) sobre uma vida verdadeiramente grande. Ele diz:
“… Em primeiro lugar devemos ressaltar um fato simples: Não temos o poder de impressionar a Deus. Um homem pode fazer muitas coisas. Mas de certo ponto de vista, isso não terá muito valor diante de Deus. Nada do que construímos aqui poderá impressioná-lo; nenhuma de nossas invenções O deixaria surpreso, pois para Ele nada é novo. Tudo que produzimos em mais de seis mil anos de serviço, não passa de um medíocre punhado de farelo perante a magnitude de tudo que Ele construiu no céu. Tentar impressionar Deus com essas coisas seria como uma criança que, com um barquinho de papel, tenta ensinar a arte de construção náutica a um experiente engenheiro naval. O caráter portanto, (e não as nossas obras) é o ponto de partida para a avaliação de Deus. O que você é, sempre falará mais alto do que aquilo que você faz…”.

É isso que mostra quem você é no mundo espiritual. É isso que define a sua estatura, quem você realmente é por trás das máscaras da vida. Quanto maior você for, mais peso terão as suas palavras, pois quem tem o caráter de Cristo, tem autoridade para “ligar e desligar” tudo no mundo espiritual.
Ser alguém “verdadeiramente grande” no mundo espiritual, faz com que você seja uma pessoa “visada” pelos demônios, alguém que eles detestam, porque você tem o “poder” de impedir o agir deles (você tem o poder de Deus agindo através de você). Porém, apesar disso tornar você uma pessoa “visada” pelas trevas, se houver santidade na sua vida, os demônios nada podem fazer contra ti. Nada. A santidade te protege.
Por isso, todas as forças das trevas agem tentando atrapalhar a nossa comunicação. Já que eles não podem nos tocar, eles querem impedir que nos comuniquemos bem, para que dessa forma, não haja unidade entre nós. Para que dessa forma, a mensagem não seja transmitida com clareza, e assim eles possam minar a nossa santificação, através da ignorância (e da falta de conhecimento) gerada pela má comunicação.
Precisamos nos esforçar na comunicação.
Lutar para que a mensagem seja transmitida de forma clara, transparente, sem interferências.
Dentro de casa, nos relacionamentos pessoais, é que enfrentamos o maior desafio da comunicação.
Pode ocorrer, por exemplo, uma discussão com o cônjuge por pura falta de comunicação… a situação vira um stress por causa disso.
Com nossos filhos não é diferente. O diabo faz de tudo para mudar a compreensão das palavras.
Falamos “eu te amo”, mas os filhos estão ouvindo “eu te odeio”.
Não é o que falamos, mas é o que eles estão entendendo daquilo que falamos.
Isso é a arte da comunicação: Conseguir fazer com que a outra pessoa entenda exatamente o que falamos.
Geralmente as brigas e discussões começam assim, porque as pessoas literalmente não se entendem.
Às vezes as pessoas estão falando a mesma coisa… mas com palavras diferentes (por isso não se entendem).
O diabo investe justamente aí, na nossa comunicação. Quando você disser pro seu filho(a) “eu te amo”, se certifique de que ele(a) entendeu que você o(a) ama.
Uma situação muito comum de falta de comunicação entre pais e filhos é quando um filho (por volta dos 14 anos) pede, pela primeira vez, para viajar com os amigos. Os pais ficam temerosos em deixa-lo ir, e dizem não. O “não” deles representa o cuidado deles, o zelo, o amor deles pelo filho… Quando eles dizem “não” estão dizendo em seus corações: “nós te amamos tanto que não queremos que você se exponha a situações perigosas”. Porém o filho não entende dessa forma. O que o filho entende é: “Nós não nos importamos com você”. Ou então: “O que você quer fazer não é importante pra nós”. Dessa forma nenhum dos dois se entende, nem os pais, nem os filhos. É como se eles falassem dois idiomas completamente diferentes, um fala português, o outro fala “grego”… Esse é um dos maiores problemas na criação dos filhos (falarem “línguas diferentes”) porque os pais não percebem essa dificuldade de comunicação, essa realidade dos “idiomas” diferentes que ambos estão falando.
Os filhos ainda não sabem o nosso “idioma”, eles ainda não são pais. Eles ainda não têm essa experiência. Eles falam o “idioma” deles, adquirido através das experiências deles, da juventude, da descoberta… da geração deles. Nossos filhos (na adolescência) falam a língua “da inconstância, da insegurança, dos hormônios, da auto-afirmação”. É uma fase difícil, que faz parte da vida. Nós (pais) somos mais maduros que eles, mais experientes. Nós temos mais vivência, mais condições de compreende-los, afinal também já fomos criança, também já fomos adolescentes um dia. Mas eles não, eles nunca foram pais. Nós geramos a expectativa de que nossos filhos nos compreendam, queremos que eles entendam o nosso “idioma”, entendam as nossas lutas, as nossas dificuldades, os nossos problemas… quando eles ainda nem falam “a nossa língua” direito… Nem conhecem a nossa realidade. Cabe a nós (pais), que somos mais maduros, que estamos à frente deles, termos a sabedoria para compreende-los, e para ensina-los a falar “a nossa língua”, a língua da responsabilidade, do temor do Senhor, da cruz de cada dia, da santidade, da honestidade… a língua da preocupação com o futuro, que infelizmente, a maioria de nós temos. Porém, para que eles consigam aprender “a nossa língua”, nós primeiro precisamos aprender “a língua deles”. Precisamos entender o que eles passam, o que eles pensam, os dilemas e lutas deles, principalmente na fase da adolescência, fase que nós (pais adultos) já superamos um dia.

Ainda que pra nós, aos nossos olhos, os problemas deles pareçam pequenos, para eles são grandes problemas, e são complicados de se resolver. Precisamos entender o ponto de vista deles. Há uma verdade acerca da vida, que a maioria de nós (pais) já sabe (porém muitos filhos ainda não sabem), a verdade é que: A vida não é fácil… A vida não é um “conto de fadas” como naqueles filmes infantis… A realidade é bem diferente. Quando vamos criar nossos filhos temos que lembrar de algo importante: crescer dói. Ser adulto dói. Ser “gente” dói. Simplesmente dói… Isso nos ajuda a compreende-los. Nos ajuda a entender a crise (e a inconstância) dos adolescentes.
Temos que lembrar que na infância somos poupados de uma série de informações sobre a realidade da vida. Ninguém põe os filhos pequenos para assistir um documentário sobre guerra… ou sobre assassinato. Ninguém é louco de ensinar sobre aborto a uma criança de 5 anos (ela ficaria traumatizada pelo resto de sua vida).
Há coisas que não fazem parte do universo das crianças, mas fazem parte da realidade da vida, e um dia, quando nossos filhos estiverem crescidos (quando chegar na adolescência), eles aprenderão todas essas coisas. E terão que lidar com elas… terão que conseguir ser felizes, mesmo sabendo do outro lado da vida, da realidade e da maldade que está solta neste mundo.
É por isso que os adolescentes entram em crise existencial… porque eles estão descobrindo a realidade da vida, e ao mesmo tempo, não querem descobrir… a cabeça deles ainda vive no “mundo da fantasia” na maior parte do tempo, porém eles não querem mais ser crianças.
Por isso, ao mesmo tempo em que eles querem “curtir a vida” que querem ser independentes dos pais, eles lutam internamente para não enxergarem o lado doloroso que a vida tem… Eles começam a descobrir as vantagens de ser adultos, o lado bom de ser “gente grande”, porem não querem abrir mão das regalias da infância… querem continuar “sendo poupados” do lado ruim da vida. Eles querem ter a liberdade total, mas não querem ter a responsabilidade (lógico que isso, na maioria das vezes, é uma atitude inconsciente).
É por isso que crescer dói.
Que ser “gente” dói…
Porque lidar diariamente com a “vida real” não é fácil.
A vida não é feita só de bons momentos… Temos que nos esforçar para muitas coisas… Temos que ter disciplina… A nossa alma tenta o tempo todo nos governar… A nossa carne milita contra o espírito… E como se não bastasse, ainda existe o diabo pra nos atrapalhar. Realmente é um desafio ser “gente”.
Temos que “ensinar” isso aos nossos filhos. Temos que ensina-los com amor e sabedoria qual é a realidade da vida… a realidade do mundo espiritual. A realidade da natureza caída do ser humano.
Temos que ensina-los quem é Deus, quem é Jesus Cristo…
Que existe um Salvador pra todos aqueles que querem ser salvos… temos que ensiná-los a buscar a Deus diariamente, a desenvolver um relacionamento espiritual com Deus.
Porque se eles não aprenderem a buscar a Deus (desde pequenos), serão infelizes.
Queremos, podemos (e devemos) ser felizes (é da vontade de Deus que sejamos felizes) mas não podemos anular as dificuldades que surgirão pelo caminho, elas fazem parte da vida. Jesus nos advertiu… Ele nos avisou que teríamos lutas; mas Ele também disse que Ele havia vencido todas as dificuldades (Jo 16:33).
Por isso se estivermos “em Cristo”, podemos tomar posse das vitórias que Ele conquistou pra nós.
Cabe a nós ensinar isso aos nossos filhos. Cabe a nós ensina-los o nosso “idioma”, o “idioma da vida”…
Mas nós só conseguiremos ensinar um idioma a uma pessoa, se primeiro conhecermos o idioma dela.
Quem não fala inglês, não consegue ensinar inglês pra outra pessoa. Só quem fala é que consegue ensinar.
Por isso, como ensinaremos o nosso “idioma” aos nossos filhos, se não falarmos o “idioma” deles primeiro? Como seu filho vai entender o que você está falando, se você não conhece “a língua” que ele fala? O “mundo interior” que ele(a) vive?
“Qual a razão por que não compreendeis a minha linguagem? É porque sois incapazes de ouvir a minha palavra.” (João 8.43).

Na maioria das vezes não há nenhum esforço em aprender. E isso é transmitido no relacionamento.
Os filhos percebem que os pais não os entendem (e não fazem força pra entender). Essa é uma grande brecha pro diabo agir, é o que ele quer… que nossa comunicação com nossos filhos seja interrompida.
Precisamos lutar pela boa comunicação. Nos esforçar por ela. Precisamos entrar no mundo dos nossos filhos, conhecer o mundo deles, como eles pensam… o que é importante pra eles. O que os entristece… o que os alegra… mas principalmente, como eles nos vêem… qual é a imagem que eles têm de nós (pais). Será que conseguimos passar pra eles o quanto nós os amamos? Será que eles estão vendo isso? Entendendo isso?
Ou será que estão entendendo tudo errado?
A comunicação é uma arte mesmo. E exige esforço. Quem ama se esforça.
“Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo.” (Efésios 4:26, 27)

Em outras palavras:  “Não deixe que o sol se ponha sobre a vossa ira…”
“Não deixe uma situação ruim, mal-resolvida até o dia seguinte”.
Não dê essa abertura para o inimigo!
Se comunique!
(Livro: “Onde Foi Que Eu Errei?” Autora: Sarah Sheeva)
Sarah Sheeva
07.05.2010

——————————————

Para Adquirir o Livro “Onde foi que eu errei?” acesse a loja virtual do ministério:
http://sarahsheeva.com/Store/

 

Medo X Amor

Medo X Amor

Onde há medo, não há certeza de ser amado.

Toda área da sua vida onde você ainda tem medo, é uma área onde você ainda não sabe o quanto Jesus te ama.
O verdadeiro amor lança fora o medo. Se há medo, não há fé.
Se há medo, não há a certeza de que você é amado(a) naquela área.
Por outro lado, se há a certeza, não há medo.
O medo desaparece quando há a certeza de que somos amados naquela área.

Do quê você tem medo?
Muitos solteiros e solteiras sentem medo de ficar só…
Mas se você sabe o quanto Jesus te ama nessa área sentimental, se você sabe o quanto Ele quer a sua felicidade nessa área, então há uma CERTEZA no teu coração, a certeza de que Ele quer te dar a melhor companhia para viver ao seu lado nessa vida. A certeza de que Ele te ama, e de que Ele está no CONTROLE dessa área da sua vida também.
Aí o medo some, desaparece!
Porque?
Porque a certeza e a fé invadem o teu coração, e destroem completamente o medo!
Temos que descobrir e confrontar os “medos” que se escondem dentro de nós… eles se escondem porque sabem que terão de fugir na hora que o amor de Deus entrar dentro de nós… eles se escondem em determinadas áreas não resolvidas dentro de nós, porque? Porque eles querem permanecer, querem continuar no controle das nossas emoções… mas nós não podemos aceitar isso. Nós não podemos aceitar viver com medo em nenhuma área das nossas vidas, sabe porque?
Porque o Verdadeiro amor lança fora o medo:
1 João 4:
16. E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.
17. Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que, no Dia do Juízo, mantenhamos confiança; pois, segundo ele é, também nós somos neste mundo.
18. No amor não existe medo; antes, o perfeito (verdadeiro) amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.
19. Nós amamos porque ele nos amou primeiro.

Se Jesus já nos amou, e nos ama tanto… então porque nós aceitamos viver com medo? Porque nós aceitamos a dúvida, a incerteza de sermos amados ou não? Porque aceitamos que os medos continuem sendo nossos “conselheiros” falando em nossos pensamentos?
Decida agora, e não aceite mais viver dessa forma.

Ore a Deus assim:
“Senhor, em nome de Jesus, eu te peço que me revele o quanto o Senhor me ama… Te peço que me mostre o teu amor por mim, me mostre, me faça ver, me faça enxergar! Eu quero saber, e quero experimentar o teu amor… Em nome de Jesus, Amem!”

Tenho certeza que, assim como o Senhor tem feito comigo, Ele também vai fazer com você: Ele vai te revelar o quanto Ele te ama!
Vale a pena confiar no amor de Deus por nós!
Ele é fiel.
Paz,
Miss. Sarah Sheeva

A importância de obedecer a Deus

Obedecer a Deus…

Esses dias tenho orado muito com uma música da Ana Paula (Valadão) que se chama “Eu vou Obedecer”. É uma música do cd infantil que ela fez sobre a Arca de Noé. Apesar de ser uma música do Cd infantil, a mensagem é muito profunda, como tudo que vem de Deus através da Ana Paula.
Então eu resolvi  compartilhar com vocês um pouco do que Deus tem me falado. Espero que gostem.
Que Deus os abençoe ainda mais,
Paz, Sarah Sheeva
15/05/2010

Arquivo de áudio mp3:

Ser usado por Deus não significa ser aprovado por Deus

Será que “ser usado” por Deus significa ter a “aprovação” de Deus?
A diferença entre ser usado por Deus e ser aprovado por Ele.

Eu estava orando sobre várias coisas, e disse assim:
“Deus, me usa… Me usa para essas coisas…”
E então, enquanto eu orava pedindo a Deus que me usasse, o Espírito conduziu minha boca a uma oração, Ele colocou esta fala na minha boca, e sem que eu pensasse saiu assim:
“Mas não é só isso que você precisa orar, não é só: Me usa, me usa… O mais importante que você tem que orar é:
Me ajuda a obedecer a Sua direção, a obedecer aos Seus comandos e as Suas ordens. Isso é o mais importante.”

Mais importante que ser usado por Deus, é ouvir a Sua voz e obedecer aos Seus comandos.
É aí, “nesse lugar”, que muitos crentes se perdem.
Muitos não sabem de uma grande verdade:
Ser usado por Deus, não significa ter a aprovação de Deus.
Isso é um fato.
E da mesma forma: riquezas, boa condição financeira e boa aparência também não significam que a pessoa está sendo aprovada.

Muitos só atentam para o exterior, para os dons, para o quanto a pessoa é usada por Deus, mas não atentam para o caráter de quem está sendo usado por Deus.
Muitos querem ser usados, desejam isso acima de tudo… Sabe porque?
Porque ser usado por Deus atrai os “holofotes” para nós, atrai a atenção das pessoas, atrai o reconhecimento… E é isso que a nossa alma traiçoeira e enganosa tanto deseja: O reconhecimento das pessoas ao redor, o “aplauso”, o “tapinha nas costas” como sinal de aprovação.
Em outras palavras: A nossa carne deseja a vaidade, ela é suscetível a isso.
Mas será que está errado querer ser usado por Deus?
Claro que não.
O problema não está em “ser usado”. O problema é quando nós pensamos e acreditamos que isso é o máximo, que isso nos faz “bons”, que isso nos faz melhores que os outros, e que isso é tudo que precisamos para sermos aprovados. Que grande engano cometemos.
Certa vez eu ouvi o Pr. Eber ministrar, e no meio da palavra ele falou sobre aprovação de Deus.
Me lembro bem quando ele disse que o que nos faria aprovados por Deus não era a nossa alma (as vontades da nossa alma e da nossa carne, nem as realizações delas), mas o que nos faria sermos aprovados por Deus seria: A realização das vontades do Espírito Santo em nós, ou seja, as vontades do Espírito governando sobre as nossas vontades (o governo do Espírito sobre a nossa alma) e a negação das nossa vontades por amor ao Senhor.
Aquilo foi uma surpresa para mim que, na época, ainda tinha muito humanismo escondido na alma, ainda pensava que sabia mais que Deus. Foi quando comecei a caminhar nessa jornada pela vida Governada pelo Espírito…
Esse é o nosso grande desafio nesta vida: enquanto vivermos, teremos que lutar, nos esforçar, para submetermos as nossas vontades à soberana vontade de Deus, ao governo dEle sobre nós.
Sabemos que Deus opera em nosso espírito, ou seja, é do nosso espírito que fluem os dons espirituais, é dele que vem o mover de Deus em nós. É nesse lugar que “somos usados” por Deus, e esse, é um lugar em nós que não controlamos.
Não temos o poder de controlar.
Porque? Porque não temos controle sobre o nosso espírito?
Porque ele não nos pertence.
Ele não foi “comprado” por nós, não foi conquistado por nós.
O mérito não é nosso, é de Deus (agindo em nós). Por isso, ser usado por Deus é algo cuja glória e reconhecimento pertencem só a Deus. É Ele que decide usar quem Ele quiser, na hora e do jeito que Ele quiser.
A glória não é nossa, não somos nós que decidimos como ou quando Deus vai nos usar, mas é Ele quem decide e opera isso em nós.
Por causa da vaidade, da fama, do dinheiro e dos holofotes, muitos tem “mudado o foco”, mudado a meta, e perdido a direção da “porta estreita” e do “caminho estreito” (Mateus 7.14). Muitos crentes e ministros do Evangelho, tem deixado de ouvir a voz de Deus e de obedecê-lo, e trocado isso pelo ativismo de: fazer, fazer, fazer e ser usado “a todo vapor”.
“Ser usado por Deus” não pode ser mais importante que obedecer. Não pode nos envaidecer ou ocupar o nosso coração acima de “obedecer a Deus”, porque obedecer é mais importante que ser usado. E quando obedecemos, acaba que “ser usado” passa a ser uma conseqüência disso. Porém, para conseguirmos abrir mão dessa vaidade, precisamos entender como Deus opera, como Ele usa quem Ele quer, na hora e do jeito que Ele quer.
Por exemplo:
Há pessoas desobedientes que Deus usa.
Isso mesmo, estou dizendo exatamente isso que você está lendo: Deus pode usar pessoas desobedientes, e até mesmo pessoas que estão em pecado. Isso é um fato.
É lógico e é provável que Ele não use essas pessoas da mesma forma, ou na mesma intensidade que usa aqueles que O obedecem e que são santos, mas apesar disso, Ele usa sim.
Nesse caso, Ele não usa essas pessoas porque elas estão obedecendo a Ele, ou porque elas são “boas”, ou porque Ele as aprova, não.
Ele as usa simplesmente porque quer usar, e ponto final.
A Bíblia revela que Ele usou até uma mula, isso mesmo, Deus encheu uma mula com o poder dele e a usou para falar com o Profeta Balaão (Números 22:28,30). Se Ele fez isso com uma jumenta, então imagina o que Ele pode fazer com um ser humano…
Por exemplo:
Pode ser que aquela pessoa (crente desobediente, ou em pecado) esteja no lugar onde Deus quer entregar um recado a alguém, por isso Deus usa a vida dela(e), mas não necessariamente quer dizer que a pessoa está sendo aprovada por Deus.
Pode ser que Deus esteja “usando” aquela pessoa (que está em pecado) simplesmente por amor a uma igreja onde aquela (pessoa desobediente) está, ou seja, Deus pode estar operando por amor aos que estão lá, e não por causa da pessoa. Deus usa, não porque a pessoa está sendo aprovada, mas por amor as ovelhas dEle.
O fato de Deus usar, e da pessoa fazer muitas coisas com o poder do nome do Senhor, não significa que essa pessoa seja boa, ou esteja sendo aprovada.

Veja como Jesus nos revelou isso em Mateus 7.21 (com meus comentários entre parênteses):
15. Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. (cuidado com os que falam em nome de Deus, mas que não são ovelhas – ovelhas obedecem ao Senhor)
16. Pelos seus frutos os conhecereis. (frutos são: o resultado das atitudes do caráter) Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?
17. Assim, toda árvore (árvore=pessoa) boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. (Bons frutos: Atitudes de bom caráter – Frutos maus: atitudes do mal caráter)
18. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons.
19. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo (essa árvore – pessoa – vai ser reprovada).
20. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis. (pelo resultado, pelas atitudes do caráter conheceremos cada pessoa)
21. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! (Senhor é Dono – “Nem todo que me diz: Tu és meu Dono”) entrará no reino dos céus, mas (entrará) aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. (só vai entrar quem for aprovado, e só será aprovado quem faz a vontade do pai, ou seja, quem obedece a Deus)
22. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! (meu Dono) Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? (fomos canal de operação do poder do Teu nome na terra, fomos usados por Ti quando vivemos na terra)
23. Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade. (não te conheço, saia de perto de mim – nunca houve um relacionamento verdadeiro entre nós – saiam de perto de mim os que praticam iniqüidade = atitudes pecaminosas baseadas num caráter corrompido que não se arrepende)
24. Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica (obedece) será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; (segurança e proteção da rocha)
25. e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. (virão as lutas mas esse crente não vai cair – quem obedece se santifica, quem é santo é protegido contra os ataques do maligno)
26. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica (desobedece) será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; (vulnerável, desprotegido)
27. e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína. (virão as lutas e esse crente desobediente não tem a proteção, por isso vai cair, e a queda será grande).

Repare que no começo dessa passagem, Jesus usa a palavra “frutos” como um sinônimo de “resultado”, ou seja, de “atitudes que revelam o caráter”. Pelos frutos (atitudes) você e eu vamos conhecer as pessoas (vers.16), vamos conhecer o caráter delas
Exemplo:
Atitudes de arrependimento e atitudes de santidade revelam um caráter santo (como o de Jesus), ao contrário das “atitudes de iniquidade”, que revelam um caráter iníquo, como o do diabo.
No versículo 22, Jesus mostra para nós que existem pessoas de caráter iníquo que operam até milagres, ou seja, Jesus revela que Deus usa muitas pessoas nesta vida… até pessoas que, lá no céu, no grande dia diante do Senhor, serão totalmente desaprovadas por terem vivido na prática da iniquidade.
Essas pessoas podem ser usadas como instrumento do nome de Deus, elas fazem muitas coisas em nome de Deus… Mas não serão aprovadas… serão reprovadas por Ele. São pessoas que deram mais valor ao mundo do que a santidade de Jesus. São pessoas (crentes) que deram mais valor aos dons, as obras, aos feitos, aos “holofotes”, a vaidade, do que a santidade de Jesus.
Santidade é o sinal do caráter de Cristo.
Já a mentira, a rebeldia, a desobediência, e a maldade (características da iniquidade) são sinais do caráter do diabo.

Em Ezequiel (28.15) mostra quem foi o primeiro iníquo de todos:
“Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti.”

Essa passagem está se referindo ao diabo antes da queda, foi nele que surgiu a iniquidade, por isso ela é uma característica do caráter dele. Ele foi o primeiro “mau-caráter” da história. Também foi nele que nasceu a vaidade, pois ele se envaideceu por causa dos seus dons (Ezequiel 28.17). Por isso nós não podemos dar MAIS valor aos dons que a santidade.
Não devemos valorizar uma pessoa primeiramente pelos seus dons, nem pela unção que flui dela(e), MAS SIM pelo seu caráter e seus bons frutos (frutos: resultado das atitudes do caráter). É isso que deve chamar a nossa atenção. Esse deve ser o critério para consagrar um líder, ordenar um pastor, etc. Esse deve ser o critério para colocar alguém no altar de uma igreja. E não seus dons, e não “o quanto ele(a) é usado” por Deus.
Afinal, Deus usa qualquer um.

Hoje em dia já virou “moda”, pastores e líderes convidarem pessoas para pregar ou cantar em suas igrejas, sem sequer ter uma referência segura sobre o caráter das mesmas. Colocam uma pessoa no altar, sem saber quem ela(e) é… Sem conhecer seu caráter, os frutos de sua vida… Isso é errado.
O certo, é primeiro buscar informações e frutos que revelem o caráter da pessoa.
Certa vez li um livro que mostrava a ênfase dada ao caráter na história da vida de Noé (Ação da Cruz – Editora MCM).
Em Gênesis (6:9) podemos ver isso. Veja como Deus se refere a ele:

“Eis a história de Noé. Noé era homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos; Noé andava com Deus.”

Quando Deus fala de Noé, Ele não cita a arca que ele construiu (durante 100 anos), nem outros feitos de Noé, Ele cita o caráter. É isso que chama a atenção de Deus.
O que nos fará sermos aprovados é termos o caráter de Cristo. O caráter revela o nível de santificação de uma pessoa.
A santificação “forja” um novo caráter em nós: O caráter de Cristo. Por isso, santidade e bom caráter andam juntos.
Ao mesmo tempo que devemos querer ser santos, não devemos querer isso só porque a santidade atrai o mover, o agir e a unção de Deus… Não apenas porque a unção nos respalda e nos dá autoridade… Não.
Devemos querer ser santos porque devemos querer ser parecidos com Jesus em seu caráter.
E o motivo disso, o motivo pelo qual uma pessoa quer a santidade e o caráter de Jesus em sua vida, deve ser porque O ama.
E esse amor leva a obedecê-lo. A motivação precisa ser o amor.
Isso é santidade.
Realmente a santidade atrai o mover, a unção e o agir de Deus, e por isso, é muito agradável ser santo(a). Por isso, é muito bom sentir Deus nos usar como um instrumento do agir dele (quando somos santos).
Porém, além de “ser usado”, há algo muito especial e poderoso na santificação, algo que considero o grande privilégio de ser santo(a): A santidade protege quem a vive e quem a possui.
Ou seja, a proteção é um benefício que a santidade (de Jesus) traz.
Entenda que “Ser usado” por Deus não te protege. Não adianta, não é a unção que te protege… Nem os dons espirituais… O que te protege é a santidade de Jesus.
Mas não se iluda, a santidade é eficaz somente enquanto ela existir em você.
Ou seja, o que te protege é viver em santidade, e não viver na prática do pecado.

Esta frase (que ouvi do Pr. Ubirajara Crespo) precisa ficar gravada em nós:
“O que nos protege não é a unção, é a santidade, mas só enquanto ela existir”.

Eu sei que não é fácil pararmos de olhar e de supervalorizar os dons espirituais das pessoas ao nosso redor. Não é fácil pararmos de olhar para o quanto “Deus usa” as pessoas, e voltarmos a nossa atenção para a santidade e o caráter delas, mas apesar desse desafio, nós (Cristãos) precisamos lutar por isso nas igrejas e no meio do povo de Deus.
Se não fizermos isso, continuarão a surgir escândalos envolvendo o nome do nosso Senhor, e a situação ficará ainda pior, porque pessoas com o caráter deformado estarão sendo consagradas e honradas em púlpitos, nas plataformas, e expostas na mídia pelo Brasil (e pelo mundo) afora.
Se não pararmos, a igreja continuará envergonhando o nome do Senhor. E isso por causa do contraste de seus dons, do quanto Deus usa as pessoas… pessoas que, muitas vezes, ainda não tiveram seu caráter tratado.
Temos que entender que Deus nos usa por pura misericórdia, e nada mais.
Ser usado por Deus não pode significar “nada” para nós, porque o poder não é nosso, a glória não é nossa. É dEle.
Não devemos nos “deslumbrar” por sermos usados por Deus, pelo contrário, devemos nos lembrar o tempo todo que nós não somos nada sem Ele, e que a excelência do poder é dEle, e não nossa.

2 Coríntios 4:
5. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos, por amor de Jesus.
6. Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo.
7. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.

Nós somos apenas os vasos de barro nas mãos do Oleiro.
Ele é o Oleiro, e Ele também é o Óleo que preenche o vaso.
Mas o vaso sem o Óleo não é nada.

Quando eu leio o versículo 6:
“Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração…”
Eu só consigo pensar na minha história, e em como isso é verdade.
Até Outubro de 1997 eu estava “nas trevas”, e de lá, do fundo do poço espiritual e emocional, Jesus me resgatou… E fez resplandecer a luz dEle em minha vida…
A face dEle resplandeceu para mim, resplandeceu em meu coração, e eu nunca mais fui a mesma! Eu fiquei “deslumbrada” por Ele!
O que precisa nos “deslumbrar” é a glória de Deus! É o caráter dEle! É a misericórdia dEle! É o amor dEle transformando o nosso caráter! É o milagre da santidade dEle sendo transferida para nós!
Porque éramos tão impuros, e hoje, por causa do poder dEle, da glória dEle, somos transformados!

Quando Deus te usar, glorifique a Ele sim! Faça isso.
Seja grato(a) a Ele por te usar. Dê a Ele toda a honra e toda a glória… Isso é certo.
Mas lute, lute para não se envaidecer por isso.
Lute para não pensar que isso, o fato de você “ser usado” por Deus é o máximo, ou que você é o máximo por isso.
Lembre-se que a glória é toda dEle.
Lembre-se que Ele usa qualquer um.

A Ele toda honra e toda glória para sempre!

Que Deus te abençoe,
Missionária Sarah Sheeva
14/03/2010

Testemunho: Como foi minha primeira experiência com Jesus

Meu Testemunho

A pedidos dos irmãos, gravei este vídeo contando como foi minha primeira experiência com Jesus. A qualidade não é das melhores porque gravei na minha webcam, mas dá para entender.
Espero que gostem!
Que Deus os abençoe,
Paz! Missionária Sarah Sheeva

Ou copiem e colem o link:

http://www.youtube.com/sarahsheeva#p/u/14/svsFqKxL0pY

Agrada-te do Senhor

Agrada-te do Senhor

 Uma vez eu ouvi uma pessoa dizer:
“Agrada o Senhor que Ele satisfará o desejo do teu coração…”

E então eu fui procurar esse versículo na Bíblia, e me surpreendi ao descobrir que aquela pessoa havia distorcido o significado do versículo.
Percebi que na verdade, não estava escrito “agrada o Senhor”, ao invés disso estava escrito: “Agrada-te do Senhor…”.
Muitas pessoas passam desapercebidas por esse detalhe nesse versículo de Salmos 37, isso porque é muito mais cômodo para a nossa alma acreditar numa (falsa) interpretação que nos beneficie a todo custo.
Porém, na verdade não é bem isso que está escrito.
Outro dia eu estava orando em pensamento assim:

“Ah Senhor, eu queria tanto que o meu escolhido fosse um homem assim e assim… Mas tu sabes Senhor, eu abro mão desse meu desejo, abro mão disso por Ti, abro mão dessa minha vontade para fazer a Tua vontade. Que seja feita a Tua vontade. Se esse desejo que eu tenho for da tua vontade, então ótimo. Mas se não for, eu não quero.
Prefiro abrir mão da minha vontade (que comparada a vontade de Deus é imperfeita) para viver a vontade de Deus para mim, que é perfeita (além de boa e agradável).”

E então, mais uma vez, o Espírito Santo trouxe a minha memória o pensamento:
“…Ao abrir mão da sua vontade, é possível que você receba a realização dela.”

Porque? Porque é justamente quando abrimos mão do que tanto queremos, que aquilo se realiza?
Porque esse é um princípio espiritual, ele está escrito na Palavra.
E se está escrito, podemos viver isso.
Vamos analisar o que diz em Salmos 37.4:

” Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.”

Esse versículo quer dizer o seguinte:
Agrada-te do SENHOR (que o seu maior “agrado” e prazer, seja o Senhor. Agrade a você com as coisas do Senhor) , e ele satisfará os desejos do teu coração (e então, como conseqüência disso, Ele satisfará os desejos do teu coração. Ou seja, Ele satisfará os desejos da tua alma, das tuas vontades. Ele vai te dar o que você deseja, o que você pensa e tem vontade).

Imagine viver isso…
Imagine Deus, o Senhor do Universo, olhando para dentro do seu coração, vendo o que você deseja, e satisfazendo a sua vontade…
Não é um sonho?
Não é o que todos gostariam de viver?
Pois é, está na Palavra de Deus esta promessa, está escrito que podemos viver isso.
Mas o que muitos esquecem é de observar que, para viver isso, há uma condição, uma condição que não é tão fácil como parece.
A condição está descrita no próprio versículo. Você precisa:
Agradar-se do SENHOR… em primeiro lugar.

Traduzindo:
Para viver isso, o seu maior “agrado” e prazer na vida precisa ser o Senhor.
Para poder viver isso, você precisa agradar a si mesmo (ter prazer) nas coisas DO Senhor (Agrada-te do), precisa ter prazer em fazer as coisas (a vontade) DO Senhor, e não ter prazer em fazer as suas próprias vontades.
Para viver isso, você precisa agradar-se mais (Agrada-te) com as coisas do Senhor do que com as suas próprias coisas, e do que com as coisas que este mundo oferece.
Simplificando: Para viver isso é necessário fazer a VONTADE DE DEUS.
E não a sua vontade.
É necessário que a vontade de Deus seja o seu maior prazer na vida, e quando isso acontecer…
A conseqüência disso será o seguinte:
…Ele satisfará os desejos do teu coração.

É assim que funciona esse princípio.
Deus é muito inteligente, não é?
As coisas não são do nosso jeito, são do jeito dEle.
Alguém poderia tentar manipular a Palavra de Deus e tentar driblar esse princípio dizendo (da boca pra fora) que “Deus é o seu maior agrado e prazer na vida…”.
Porém, não há como enganarmos a Deus. Ele sabe se isso é verdade ou não dentro de nós. Ele vê bem lá no fundo do nosso coração.
Durante muito tempo na minha caminhada Cristã eu tentei driblar esse princípio (risos). Me lembro que eu orava e dizia ao Senhor:
“Pai, Tu sabes que hoje em dia Tu és o mais importante na minha vida, e etc…”
Mas na verdade, no fundo no fundo… ainda não era.
E o Espírito Santo suavemente me dizia:
“E quanto a tal e tal coisa que você ainda não abriu mão?”
“E quanto aquilo e aquilo outro que Eu já te mostrei que você tem que mudar?”
“Como você pode dizer que Eu sou o mais importante, ou que Estou em primeiro lugar no seu coração, se você ainda não consegue abrir mão de certas coisas por Mim?”
E então eu me quebrantava e chorava na presença de Deus… Pedia a Ele que me transformasse mais e mais… E foi o que Ele fez.
Deus é tão sábio, tão Maravilhoso que estabeleceu regras perfeitas para que nós pudéssemos experimentar a boa, perfeita e agradável vontade dEle.
Hoje em dia eu realmente vivo isso. Realmente amo o Senhor acima de todas as coisas em minha vida. E como é bom viver “nesse lugar” em Deus. Um “lugar” onde nada nem ninguém pode nos atingir, nem nos fazer desistir, porque a nossa motivação não está em coisas passageiras, visíveis e corruptíveis… Mas está na eternidade ao lado dEle.
Hoje em dia eu tenho muitos testemunhos para contar que comprovam esse versículo de Salmos 37, poderia contar muitas historias vividas nesses anos, onde vi os desejos do meu coração serem realizados. Algumas vezes eu somente pensei, nem cheguei a orar… E Deus simplesmente realizou aquele desejo ao ouvir meu pensamento… Não é incrível?

Você quer viver isso?
Então faça o que diz em Salmos 37.4, agrade a si mesmo com as coisas do Senhor, faça a vontade dEle. Pois o que mais agrada a Deus é isso, fazer a vontade dEle. E a maior vontade dele é que Ele seja o centro no seu coração.
Quando Ele ocupar o primeiro lugar no seu coração, nas suas vontades, nos seus pensamentos… Aí sim, Ele satisfará os desejos do seu coração.
Ele não abre mão do lugar dEle dentro de você:
O primeiro lugar no seu coração pertence a Ele.
Ele tem que ser o seu maior agrado, o seu maior prazer nesta vida.
“Agrade a você mesmo com as coisas do Senhor, e aí Ele satisfará seus desejos e vontades…”

Que Deus te abençoe,
Missionária Sarah Sheeva
19/03/2010

O Que é a Ingratidão?

 

O Que É a Ingratidão?

Eu estava pensando sobre a ingratidão…

Ser ingrato tem a ver com ser humanista, porque o humanista atribui suas vitórias a ele mesmo, e não a Deus. O ingrato não reconhece que, sem Deus, ele(ela) talvez não estivesse nem vivo.
A ingratidão também tem a ver com idolatria. Geralmente as pessoas ingratas tem dois comportamentos extremos: “amam” a ponto de idolatrarem a pessoa “amada”, e quando descobrem os defeitos (naturais) da pessoa, passam a desprezar e se tornam totalmente ingratos.
O ingrato esquece com muita facilidade… não as coisas ruins, mas esquece as coisas boas que fizeram por ele(ela).
O ingrato vive no “seu mundo”, busca apenas os seus próprios interesses. É um tipo de pessoa que se torna cega (cego) para o amor (e doação) de quem está ao lado.
Outra característica da personalidade do ingrato é a desobediência que leva a rebeldia… e a infidelidade.
Como o ingrato acha que sabe das coisas, ele (ela) não ouve a mais ninguém, não aceita conselho de ninguém, não considera ninguém capaz de liderá-lo(a) ou de aconselha-lo(a), o ingrato finge aceitar, mas na verdade, ele(a) não aceita se submeter a autoridade, porque ele(a) realmente acredita que sabe o que é bom para si.
A ingratidão também tem a ver com a “falta de educação”. Podemos ser “treinados” desde a infância a ter um comportamento grato, isso ocorre no processo de educação de uma criança. Quando ensinamos uma criança a dizer “obrigado” para as pessoas que lhe servem, ou lhe ajudam, estamos lhe ensinando a ser grata(o). Isso faz parte da educação.
Mas não é apenas a educação, a “etiqueta”, o “protocolo”, o “ser formal”, que gera a gratidão. A gratidão tem que partir do nosso coração, e não apenas ser da boca para fora.
Quem está ao lado (convive) com o ingrato(a) sempre sofre.

O único que não sofreu quando conviveu com um ingrato foi Jesus.
Judas é o perfeito estereótipo do “ingrato”, ele foi salvo por Jesus, amado, cuidado pelo Mestre (que mesmo sabendo que Judas era um ingrato, lavou seus pés)… mas (Judas) não reconheceu, ele foi ingrato, infiel e traidor.
Mesmo assim, Jesus nunca o rejeitou…
Jesus tinha uma (entre muitas) característica: Ele não se iludia em relação as pessoas… Ele não gerava expectativas. Ele não fantasiava ou idolatrava.
Ele ama sem se iludir.
É por isso que Jesus não sofreu quando Judas o traiu, porque ele já sabia quem era Judas, Ele já tinha visto a ingratidão no coração de Judas. Jesus sabia que não podia esperar nada dele, a não ser traição e ingratidão.
Jesus não se decepcionou com Judas, pelo contrário, Ele se preparou para ser traído. Ele já sabia com que tipo de pessoa estava lidando.
É claro que Jesus se entristeceu com a decisão de Judas, pois Jesus o amava, mas Ele não se deixou iludir, Ele não gerou expectativas.
A ilusão fere muito, isso acontece porque quando ela cai, tudo que foi fundado sobre ela, cai junto.
Isso serve para todas as áreas das nossas vidas, mas principalmente para os relacionamentos.
Muitos “Judas” vão aparecer nas nossas vidas… faz parte. Mas nós teremos que aprender a lidar com cada um “deles”, e não deixar que eles destruam a nossa capacidade de amar e de acreditar no amor verdadeiro (e na mudança das pessoas).
A verdadeira gratidão está ligada ao exercício de “se ver”.
Ela “brota”daí.
Observe, quando nos enxergamos, quando honestamente “nos vemos”, e, (sem medo da rejeição) percebemos quantas pessoas nos amam e não nos deixaram (mesmo sabendo de todos os nossos defeitos…) nasce em nosso coração uma profunda gratidão.
Nós, seres humanos, somos assim: Quando percebemos as nossas limitações (quando nos enxergamos), temos medo que os outros também percebam (enxerguem) e nos rejeitem por causa delas.
Por isso, tentamos esconder das pessoas os nossos defeitos a todo custo. Mas isso não adianta.
Mais cedo ou mais tarde, as nossas limitações e defeitos (principalmente aqueles que tentamos a todo custo esconder das pessoas) vão aparecer.
Isso vai acontecer sem querer, na hora da raiva, do nervosismo… sem querer acaba aparecendo pra todo mundo.
Isso de certa forma é bom, porque é nessa hora que saberemos a verdade sobre as pessoas ao nosso redor, é nessa hora que conheceremos o caráter de cada um que nos cerca, porque, se ao ver os seus defeitos, uma pessoa te abandonar, ela(e) está mostrando que não te ama de verdade, ou que não está disposta a te amar e te aceitar como você é.
Por isso, mesmo que tenhamos medo da rejeição, é melhor vencermos esse medo, e deixar que as pessoas nos conheçam de verdade. Assim diminuímos o risco de decepcionar e de sermos decepcionados.

Realmente dói muito a rejeição, mas dói bem menos quando não criamos raízes, quando ainda estamos no começo de um relacionamento… por isso temos que ser “o mais transparente possível” com as pessoas, para não geramos expectativas falsas e infundadas (defraudações).
Eu te garanto que a ingratidão dói muito mais que a rejeição (falo por experiência própria, pois já senti das duas), porque a ingratidão é a rejeição ”concentrada”, ou seja, podemos passar por uma rejeição, e não “rolar” ingratidão junto… mas sempre que rolar ingratidão, junto dela haverá rejeição. É sempre assim, porque o próprio ato de ser ingrato, é um ato de rejeitar.
É por isso que dói tanto quando alguém a quem nos dedicamos, se torna ingrato(a), age com ingratidão conosco, porque nos sentimos profundamente rejeitados e “des-amados”.

Para mim, é um desafio lidar com a ingratidão de um modo geral, mas principalmente com as pessoas ingratas, aquelas que tem essa “natureza”. Acho que isso acontece porque sou grata… Tenho gratidão em meu coração… e por isso, acabo por gerar uma expectativa nas pessoas ao meu redor… não é fácil.
O que tenho aprendido com o Senhor todos os dias da minha vida é o seguinte:
Faça para Ele.
Faça para Jesus.
Ele não tem um coração ingrato, sabe porquê?
Porque Ele não te rejeita.
Jesus conhece a nossa motivação… Ele sabe quando agimos com amor, com zelo, com cuidado…
Ainda que as pessoas ao nosso redor nos “interpretem” errado, Jesus não. Ele sempre sabe “ler” a verdade em nossos corações.
Tenha um coração grato.
Exercite isso.
Comece hoje a exercitar:
Agradeça em primeiro lugar ao Senhor, que te criou, que te formou, agradeça por você estar vivo(a)… agradeça até pelas lutas, porque elas são “professores” que nos ensinam o valor da vida.
Mas agradeça também as pessoas… aos seus pais que te criaram, mesmo que tenham falhado, as pessoas que te criaram fizeram alguma coisa por você… mesmo que seja pouco… foi o que eles sabiam, foi o “melhor” deles… por isso seja grato(a) a cada um deles. Diga a eles “obrigado(a) por tudo que você fez por mim”.
Agradeça também as coisas simples do dia a dia: o cobrador do ônibus, a faxineira do seu trabalho, a pessoa que te serviu na lanchonete, a atendente do balcão de alguma loja… seja grato(a)…
“Mas Sarah, e se eu for grato(a), educado(a) com as pessoas, e elas não retribuírem? O que fazer?”
A resposta é:
Faça para Jesus. Não faça esperando que as pessoas te devolvam… faça sabendo que Deus está vendo cada atitude sua, em cada minuto do seu dia.
Ele te devolverá.
Ele é justo e fiel, e nunca vai deixar passar desapercebido uma atitude boa e correta que façamos, mesmo que demore (aos nossos olhos) para ter “retorno”, tudo, absolutamente tudo que “plantarmos” nós vamos “colher”.

Mateus 7:12
“Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim
fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.”

Faça para os outros o que você quer que façam a você.
Você verá como Deus é justo. E como a Palavra dEle não falha.

Que Deus te abençoe,
Missionária Sarah Sheeva
30/01/2010

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará…

 

 O Conhecimento da Verdade

 

Sábado passado (02/01/10) depois do culto, eu estava conversando com o Pr. Sergio Poral, meu discipulador e marido da minha discipuladora (Prª Cynthia Poral).

Só pra “variar”, falávamos das coisas de Deus… (rsrs)

Foi quando de repente, no meio da conversa ele falou uma frase fantástica:

 

“O que traz libertação é o conhecimento da verdade”

 

Fiquei maravilhada…

Por mais que eu já tivesse lido este versículo muitas vezes, eu ainda não tinha percebido que, não é apenas a verdade que liberta, mas é o conhecimento dela que nos liberta.

 

A verdade é Jesus e Sua Palavra:

João 14.6:

“Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.”

 

Em primeiro lugar, na prática, conhecer a verdade significa conhecer a pessoa de Jesus.

Em segundo lugar, significa saber de coisas (verdades) acerca da vida e da morte, de Deus e das trevas, de Jesus e de nós, da Palavra de Deus…

Significa saber de coisas que antes você não sabia.

É esse “saber” que abre a porta para que a Verdade te liberte, porque quando esse “saber” entra em você, quando esse “conhecimento” entra dentro de você, (com o uso do seu livre-arbítrio) finalmente você pode fazer sua escolha consciente do que está escolhendo, sem ser enganado pela mentira do diabo (e do seu sistema chamado: mundo).

 

Esta é a vontade de Deus para nós: que façamos as nossas escolhas sem a influência do diabo e do mundo, que possamos escolher por nós mesmos, sem interferências.

É por isso que Jesus falou do “conhecimento da verdade”… foi para nos libertar e para que escolhamos ele (o conhecimento… e não a ignorância ou a mentira).

E quando escolhermos conhecer a verdade, ela nos libertará.

O que é “ser liberto” pela verdade?

É quando a mentira já não te domina mais.

É quando a mentira não rege mais seus pensamentos e suas ações.

Mas para entendermos isso melhor, primeiro precisamos entender quem é a mentira.

 

A mentira

 

A mentira tem muitas faces:

Ela é humanista.

Ela também é incrédula, cética, ateísta… e ao mesmo tempo, a mentira diz que todos os caminhos levam o homem a Deus e a verdade. Mas isso é mentira (aliás, dizer isso é a cara dela).

A mentira não é burra, mas ela nos faz ficar “burros” e ignorantes…

Ela é inteligente o suficiente para se disfarçar de uma “verdade”.

Ela finge muito bem… se disfarça… mente.

É por isso que o nome dela é: mentira.

De onde ela veio? Onde será que ela nasceu?

Quem será o pai dela? Ela é filha de quem?

Quem foi que a criou, que “a viu crescer”, para que ela fizesse tudo isso?

A resposta está na Palavra de Deus.

 

Jesus disse aos fariseus (João 8.42-44):

“Replicou-lhes Jesus: Se Deus fosse, de fato, vosso pai, certamente, me havíeis de amar; porque eu vim de Deus e aqui estou; pois não vim de mim mesmo, mas ele me enviou. Qual a razão por que não compreendeis a minha linguagem? É porque sois incapazes de ouvir a minha palavra.

Vós (fariseus) sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele (diabo) não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”

 

Pois é, a mentira é “filha” do diabo… nasceu e veio dele.

Ser liberto pela Verdade é sair do domínio da mentira.

É sair do domínio da ignorância espiritual.

  

Verdadeiramente livre

 

Mas quem precisa de libertação? Libertação é para quem?

Ela é para mim e para todos que crêem em Jesus (como o Filho de Deus) e em Sua Palavra (Bíblia) como a Verdade.

Ou seja, libertação não é para os incrédulos e ímpios, é para os crentes… Para aqueles que crêem!

Ela é um “privilégio” dos crentes… somente dos crentes!

Enquanto estivermos vivos, sempre precisaremos de alguma “libertação”, porque o mundo em que estamos nos “bombardeia” e nos sufoca a todo tempo, tentando nos tirar da Verdade, tentando nos seduzir com suas mentiras…

A toda hora precisamos de alguma “libertação”: seja na mente (alma), corpo ou espírito, toda hora somos “bombardeados” pelo sistema.

Um filme que nós vemos, um livro que lemos, um site que entramos, uma música que ouvimos, uma imagem que vemos, ou até mesmo uma simples conversa, podem nos “contaminar” a ponto de tirar nossos olhos da Verdade.

Por isso a libertação é para quem tem o Sangue de Jesus, é um privilégio nosso.

Quem não tem o Sangue dEle sobre a sua vida, nem tem como ser liberto…

E essa também é mais uma grande verdade.

É o conhecimento da verdade que produz libertação.

A todo momento precisamos conhecer a verdade, mais e mais.

E quanto mais nós conhecermos a verdade, maior será a “libertação”, mais estaremos “no Altar” de Deus, e menos “no mundo”.

A libertação é que produz a tão sonhada liberdade.

(Leia o Post sobre Liberdade aqui no Blog: https://sarahsheeva.wordpress.com/2008/04/10/o-que-e-ser-livre/ ).

 

Em João 8.36 diz:

“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”

 

Todo mundo quer ser livre. Verdadeiramente.

Mas nem todos sabem que para isso é preciso conhecer a verdade.

  

Quem é liberto da mentira?

 

Somente quem conhece a Verdade é liberto.

 

João 8.54,55:

“Respondeu Jesus: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória nada é; quem me glorifica é meu Pai, o qual vós dizeis que é vosso Deus.

Entretanto, vós (fariseus) não o tendes conhecido; eu, porém, o conheço. Se eu disser que não o conheço, serei como vós: mentiroso; mas eu o conheço e guardo a sua palavra.”

 

Jesus estava nos mostrando que os fariseus não conheciam o Pai Celestial, e não conheciam a verdade.

Repare como Ele diz que, se não conhecesse o Pai (a Verdade) Ele seria mentiroso como os fariseus.

Ele deixa claro que, quem mente e vive na mentira, ainda não conhece a verdade. Portanto, quem mente, ainda não é liberto(a)… seja em um nível (alma), ou em outro (espírito), quem mente está com problemas. Problemas com a Verdade.

Porque se não tivesse problemas, não precisaria mentir, nem viver na mentira.

  

A mentira que mais aprisiona

 

Em minha opinião, a maior e mais perigosa mentira de todas (que nós crentes temos de ter conhecimento da verdade, e temos que vigiar) é o humanismo: A crença de que “nós temos o poder e etc…”

(Ouça a pregação sobre humanismo aqui no Blog:

https://sarahsheeva.wordpress.com/pregacoes-e-palavras/ )

 

O pensamento humanista de que “nós controlamos a nossa própria vida” é uma mentira das grandes…

Tem muito crente que não sabe nada sobre humanismo…

Muitos estão lendo “O Segredo” achando que é “o máximo”…

E mal sabem o problema que estão arrumando.

 

Esses dias eu estava lendo as notícias sobre o final do ano e me deparei com a situação terrível de algumas cidades que foram alagadas e prejudicadas pelas chuvas que ocorreram na virada do ano. Ao ler, me lembrei de algo que eu sempre digo nos púlpitos por aí:

“Se estamos vivos hoje, é porque Deus permitiu que chegássemos até aqui. Não é porque somos bons… mas é porque Ele é bom e escolheu ter misericórdia de nós” (Romanos 9:15 a 18).

Quando alguns dizem para mim que “não tem motivo para adorar a Deus”, porque estão com muitos problemas e etc, eu sempre digo:

“Adore a Deus, glorifique-o, e seja grato(a) a Ele pelo simples fato de você estar aqui agora, vivo, viva, (lendo este Post…) porque se Deus não tivesse te escolhido, você poderia não estar aqui.”

 

Em Jó 27.8 diz:

 

“Porque qual será a esperança do ímpio, quando lhe for cortada a vida, quando Deus lhe arrancar a alma?”

 

Ou seja (traduzindo): “Quem pode garantir que vai amanhecer vivo ou morto? Quem tem o poder sobre a vida e a morte?”

Com certeza não somos nós.

 

Em meio as notícias que li, uma das mais tristes que me chamou a atenção dizia assim:

“Em Cunha, no Vale do Paraíba, seis pessoas da mesma família morreram vítimas de um deslizamento de terra no bairro Barra do Bié na sexta-feira (1º). Apenas uma mulher sobreviveu ao desastre. Ela está internada no Hospital 9 de Julho, na capital paulista, e seu estado de saúde é considerado estável. No soterramento, ela perdeu o pai, a mãe, a irmã, o marido e dois filhos.”

 

Na hora que li isso a primeira coisa que pensei foi:

“Meu Deus! Que coisa terrível… que situação difícil essa mulher deve estar passando…” e fiquei refletindo sobre aquela situação: imagine perder todas as pessoas que você mais ama… que coisa horrível… Com certeza temos que orar por essas pessoas… 

E o Espírito Santo me lembrou que se estamos vivos aqui, se estamos bem… é porque fomos livrados (por Deus) de muitas situações.

Esta é uma grande verdade.

E o conhecimento desta verdade nos faz livres para adorar a Deus,

livres para amá-lo mais…

Livres para sermos mais gratos a Ele por tantos livramentos!

O conhecimento dessa verdade pode te levar a um novo nível de “libertação”, um nível onde você não se deixa mais levar pelas mentiras do humanismo, um nível onde você nunca mais vai depender das circunstâncias (das vitórias) para adorar a Deus…

Um nível onde o seu relacionamento com Deus será inabalável.

A verdade é que Jesus não mente, Ele sempre diz a verdade.

Viver não é fácil… Jesus nunca disse que era. Pelo contrário, Ele disse que teríamos tribulações… mas que deveríamos ter “bom ânimo” porque Ele venceu o mundo.

 

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”

(João 8.32)

Sarah Sheeva

06/01/2010

Como não se frustrar com as pessoas ao nosso redor?

Como não se frustrar com as pessoas ao nosso redor?

 

Perguntei para Deus: como não me frustrar ou não me decepcionar com as pessoas?

Ele me disse:

Toda vez que você fizer as coisas PARA os outros, esperando algo dos outros, você vai se frustrar.

Porque ninguém poderá te recompensar, ninguém poderá reconhecer você, ou te recompensar pelo que você fez. Somente Eu.

Somente Eu vejo tudo. Somente Eu vejo o teu coração.

Faça PARA Mim, diz o Senhor.

Faça para Mim.

Tudo o que você fizer, faça para mim. Como se fosse Eu que estivesse recebendo, sendo beneficiado.

Essa é a maneira correta de pensar e de agir na vida, andando no Espírito, agindo por fé.

Dessa forma você não vai se frustrar nem correr o risco de ser ferido(a), porque sua expectativa não estará em mais ninguém além de mim.

Não espere nada das pessoas, elas “não tem nada” para te dar. Elas também dependem de Mim…

Mas Eu tenho, diz o Senhor. Eu tenho muito para te dar…

Eu Sou Deus Todo Poderoso que te curo e te limpo. Eu Sou.

Dependa de Mim… Espere de Mim…

Confie em Mim… Descanse em Mim…

Deposite suas esperanças e expectativas em Mim…

 

E eu perguntei: Mas como fazer isso na prática Senhor?

 

 

É assim:

Exercite no dia a dia, pratique isso nas pequenas coisas do dia, como por exemplo, em seus relacionamentos mais íntimos, nas coisas mais triviais do dia…

Cada coisinha que você fizer, faça para Mim, como se Eu estivesse ali, recebendo de você naquela hora…

Como se a pessoa ou o lugar que você estiver servindo fosse Eu…

É assim que se faz isso na prática.

Dessa forma, você vai treinando a sua alma a não esperar nada, nunca.

E vai treinando o seu emocional a não ser frágil e nem suscetível as pessoas e as circunstâncias ao seu redor.

Assim você amadurece emocionalmente, porque não depende mais, não cobra mais, não exige mais…

Somente se doa, se dedica… isso é ser maduro(a) nos seus relacionamentos e na vida.

Ser assim, agir assim, viver assim… te protege.

Te protege não apenas das decepções, mas do diabo também, que sempre tenta usar as expectativas que você gera nos seus relacionamentos para te magoar.

O diabo sabe que ninguém consegue suprir o vazio de ninguém. Que nenhum ser humano consegue preencher o outro, por mais que tente. Ele sabe onde vocês são vulneráveis, e os ataca bem ali.

Seja sábia. Não deixe sua alma te governar.

Toda vez que ela te governar, as suas emoções e seus sentimentos passarão a minha frente, tomarão o lugar do meu governo dentro de você, e conseqüentemente surgirão problemas e decepções.

 

Então eu entendi qual é o caminho que devo trilhar para não me frustrar com as pessoas ao meu redor:

É o caminho da vida no Espírito, da vida governada pelo Espírito de Deus, e não pelas minhas emoções e expectativas.

As minhas expectativas existem… mas eu preciso trabalhá-las na presença do Senhor… levar até Ele cada uma delas e examiná-las a luz da Palavra para saber se devo insistir nelas, ou se devo crucificá-las.

Quando somos governados pelo Espírito de Deus, colocamos as nossas expectativas nEle… depositamos nEle…

As expectativas pesam… elas são como fardos… jugos que carregamos em nossas costas… porque elas nos atrasam, nos seguram… nos embaraçam na caminhada. As expectativas frustradas podem nos parar, e na verdade, é o que tem acontecido com muita gente, até mesmo com crentes fiéis a Deus.

 

E disse Jesus:

Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.

(Mateus 11. 28-30)

 

As expectativas precisam ser lançadas sobre Jesus… todas elas.

E então Ele fará com que carreguemos as expectativas dEle, aquelas que nunca vão se frustrar.

É por isso que a oração em línguas é tão importante, porque toda oração feita por Deus não corre o risco de não ser ouvida, ela é sempre ouvida.

E se ela foi orada por Ele, ouvida por Ele, então ela foi orada de acordo com a vontade dEle, e não com a nossa (que é tão falha). E se ela foi totalmente feita por Ele, então não corremos o risco dela não ser atendida, pelo contrário, é impossível uma oração que foi feita pelo Dono do universo não ser ouvida por Ele mesmo.

A oração feita por Deus é sempre ouvida e conseqüentemente, é sempre atendida.

Resultado:

O que Deus diz, acontece.

Nenhum de seus planos pode se frustrar.

Porque?

Porque Ele já venceu.

Não tem como Ele perder… porque Ele já ganhou a briga.

Ele é o vencendor invicto eternamente… pelos séculos dos séculos…

Alinhe tuas expectativas com as expectativas do Senhor… e dessa forma, voce nunca mais vai se frustrar…

 

Como disse o meu querido Pastor (José Antônio Lino) ontem no culto do reveilon:

Que em 2010 você seja “surdo(a)” para o diabo… que você simplesmente não ouça as palavras de desistência que vierem ao seu ouvido para te fazer desistir daquilo que Deus traçou para a sua vida…

 

E eu complemento o que ele falou:

    Que em 2010 você também seja “surdo” para as expectativas da sua alma (que estiverem desalinhadas com a vontade de Deus). Que você aprenda a ignorar e crucificar todas as expectativas erradas, tais como: ser exaltado(a), “curtir a vida”, fazer o que a sua carne quer…

    Jesus disse:

    Quem perder a vida (o tempo, o lazer, a “curtição”) por minha causa, vai ganhar…” (Mt 16:25)

    Mas que as suas expectativas sejam de agradar o coração de Deus, em servi-lo cada dia mais, de maneira melhor…

    E que tudo o que nós fizermos, façamos como se fosse para o Senhor.

    Ele está vendo e recebendo agora mesmo… e quando chegarmos no céu e estivermos diante dEle, receberemos galardão de cada coisa que fizemos PARA Ele.

    Se for PARA Ele, Ele recebe.

Nada do que está oculto ficará oculto… um dia tudo será revelado.

 

Maranata!

(Vem Senhor Jesus!)

 

Feliz 2010 para todos!

 

Missionária Sarah Sheeva

Revelação sobre Confiança para o final de 2009

 

Você confia em Deus?

 

Na primeira semana deste mês (Dezembro/2009) eu estava num supermercado perto de casa, e depois de fazer as compras fui para a fila.
Na espera (que durou uns 40 minutos) eu observava as pessoas e coisas ao meu redor.
Num dos caixas que estavam desativados, uma mulher esperava alguém. Junto a ela havia uma criança, era um menino, e ele parecia ter uns dois anos de idade.
Ela o colocou sobre a bancada do caixa desativado, que para o tamanho do garotinho, parecia uma pequena plataforma. Imediatamente o garoto ficou de pé na bancada e começou a andar em direção a esteira e a um vão (onde ficava a cadeira da moça do caixa). Imaginei que se ele continuasse andando seria um tombo e tanto, com direito a pontos e tudo, mas ao vê-lo andar empolgado em direção ao vão, a mãe do menino o segurou, interrompendo sua pequena “jornada exploradora” pela esteira do caixa do supermercado.
É incrível como os meus olhos sempre estão atentos as crianças. Não pude evitar… e vi quando o menino ficou muito irritado com a “interrupção” da mãe. Ele começou a chorar alto e espernear de uma forma a envergonhá-la, e chamar a atenção de quem estivesse passando.
A mãe, que parecia já estar acostumada com isso, nem ligou, e continuou segurando-o para que ele não fizesse mais nenhuma “exploração” arriscada no local.

Naquele instante Deus falou comigo, Ele me disse:

– É assim que sempre acontece Sarah.
Vocês acham que sabem o que é melhor para vocês, mas não sabem. 
Ah! Se vocês soubessem o que Eu sei…
Ah! Se vocês vissem o que Eu vejo…
Assim como esse menininho muitos agem sem saber o perigo que estão correndo, e assim como essa mãe, Eu ajo livrando a muitos dos meus filhos.
Mas assim como o garotinho, muitos esperneiam e choram quando Eu não dou, ou não aprovo o que eles querem.
Mal sabe ele (o menino) o que pode lhe acontecer se prosseguir nesse caminho… aquela mãe sabe de coisas que ele ainda não sabe, ela conhece coisas e caminhos que o pequeno menino ainda não conhece…
Mas um dia ele irá crescer, e entenderá coisas que quando criança ele não entendia, aí ele entenderá e até agradecerá a ela por tê-lo segurado naquela hora, para que ele não caísse, não se machucasse, e não morresse. 
Assim como esse menino são vocês.
Um dia vocês vão “crescer”, e vão compreender lá na frente, na hora certa, coisas que agora não conseguem compreender.
Muitas coisas que hoje vocês não entendem, um dia vão entender, então elas farão sentido, ficará claro porque foi necessário que as coisas fossem assim, acontecessem como aconteceram.
Eu cuido de todos os que são meus… e suas vidas e caminhos estão no controle das minhas mãos. Se você me serve, me pertence (e eu disse: eu pertenço Senhor!) então deve saber disso, deve confiar em mim e na minha Palavra que diz:

 

Entrega teu caminho ao Senhor, confia nele e tudo mais Ele fará (Salmos 37. 3-11)

Eu farei o que for necessário. Todas as coisas estão sujeitas a Mim.

Eu Sou Deus todo poderoso, agindo Eu, quem impedirá?(Isaias 43.13)

Mas há algo mais que vocês precisam saber… há coisas que vocês nunca serão “adultos” o suficiente (espiritualmente falando) para entender.
O que quero dizer é que, há coisas que só aqui na Glória vocês entenderão… só aqui, na dimensão da eternidade, é que vocês compreenderão certas coisas.
É por isso que há mistérios que não serão totalmente revelados a vocês, porque vocês não tem “condições” de compreender. São coisas que vão além da compreensão de vocês, coisas que poderiam prejudicá-los, a ponto de vocês não quererem mais viver.
E essa não é a minha vontade.
Ainda é necessário que vocês vivam nessa dimensão (do tempo) por um tempo, até que se cumpram todas as coisas que determinei. Além disso, lembre-se que a morte é nossa inimiga, e ela age nessa dimensão em que vocês estão.

O que Eu quero é que vocês “odeiem” o sistema que rege essa vida, que vocês não sejam levados, liderados, influenciados por ele. Que vocês olhem para mim, e vivam comigo desde já, desfrutem da minha presença desde já.
E que possamos nos relacionar e nos conhecer desde já…
Para quando chegar o grande dia, o dia em que cada um dos meus estiver face a face comigo, Eu possa dizer-lhes:
Muito bem servo bom e fiel… (Mateus 25.21)
Para que Eu não precise dizer-lhes:
Nunca vos conheci… Apartai-vos de mim…(Mateus 7.23)
Mas para que Eu diga: Enxugarei dos seus olhos todas as lágrimas… bem vindo Vencedor, bem vindo meu herdeiro (minha herdeira) e meu filho(a)… (Ap. 21.1-7)
E que possamos estar juntos eternamente na dimensão da eternidade.

Quando o Senhor terminou de me dizer estas coisas, eu fiquei maravilhada… Compreendi muitas coisas que aconteceram neste ano, e muitas que não aconteceram…

A Palavra dEle não mente, ela é a Verdade.

Veja o que ela diz: 

Apocalipse 21. 3 – 7

3. Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles.
4. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.
5. E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.
6. Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida.
7. O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho.

Isaías 43

1. Mas agora, assim diz o SENHOR, que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu.
2. Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti.
3. Porque eu sou o SENHOR, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egito por teu resgate e a Etiópia e Sebá, por ti.
4. Visto que foste precioso aos meus olhos, digno de honra, e eu te amei, darei homens por ti e os povos, pela tua vida.
5. Não temas, pois, porque sou contigo; trarei a tua descendência desde o Oriente e a ajuntarei desde o Ocidente.
6. Direi ao Norte: entrega! E ao Sul: não retenhas! Trazei meus filhos de longe e minhas filhas, das extremidades da terra ,
7. a todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para minha glória, e que formei, e fiz
13. Ainda antes que houvesse dia, eu era; e nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?

Se você pertence ao Senhor Jesus, então confie Nele!

Quero deixar aqui um vídeo da música do Jason Upton (que achei no Youtube). É um cântico espontâneo onde foi captada a voz de um anjo cantando com ele.
Observe que durante a música (bem no meio do cântico) Deus começa a falar pela boca do Jason, é tremendo!
Pela boca do Jason, o Senhor diz assim (para cada um de nós):
Você vê o que Eu vejo?
Você ouve o que Eu ouço?
Você sabe o que Eu sei?
Você quer o que Eu quero?
(Então)Voe…
A interpretação desse cântico (que o senhor meu deu) foi a seguinte, Ele está perguntando a nós:

 

Vocês sabem o que Eu sei?
Não.
Vocês ouvem o que Eu ouço?
Não.
Vocês vêem o que Eu vejo?
Não.
Vocês estão onde Eu estou?
Não.
Vocês querem exatamente o mesmo que Eu quero?
… Será que querem?
Vocês sabem o que Eu quero?
(E os Servos obedientes responderão: Sim Senhor! Queremos fazer a tua vontade!)
E o Senhor responde:
Então voem em minha presença (me adorem!)
Apenas me adorem…(Fly…)
Se entreguem em minha presença (Fly…),
É disso que vocês precisam…

Que Deus abençoe a cada um de vocês neste final de ano,
E que vocês continuem firmes no caminho estreito que conduz a Salvação…
Queremos ver Jesus!

 

Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor… (Hebreus 12.14)

O Encontro

O Encontro

(Parte 1)

 

“Quem me conhece bem, sabe que eu sempre busquei a Deus, sempre procurei…

Sempre.

E quem procura, acha…

Hoje eu posso dizer que encontrei…

Eu encontrei Deus.”

 

Quando você encontra Deus, o Deus verdadeiro, o Deus que é a Verdade, algumas coisas acontecem com você.

A primeira coisa é que você descobre que o humanismo é uma tremenda mentira.

Você descobre que essa historinha humanista que te contaram desde pequeno de que: “A verdade tem várias faces”…

ou que: “Cada um tem a sua verdade…” é conversa fiada.

Você descobre que existe uma verdade sim. Não uma “verdade relativa”, mas uma verdade única e absoluta acerca da vida

e… também da morte.

Acerca de Deus, do céu, dos anjos e… também do inferno, do diabo, e dos demônios.

Essas são as primeiras descobertas que nos chocam… porque elas vão de confronto com toda a nossa “programação” mental,

com tudo que (desde a infância) havíamos aprendido nos filmes de contos de fadas e nas historinhas infantis…

A segunda coisa que você descobre é que: O que você encontrou (essa verdade absoluta, o Deus verdadeiro, e, o seu encontro com esse Deus Maravilhoso) é algo totalmente intransferível.

Você descobre que não conseguirá convencer as pessoas ao seu redor a descobrirem essa verdade, a menos que elas queiram. E isso te frustra um pouco, porque você já estava empolgado(a), se preparando para sair anunciando a plenos pulmões, e pelos quatro cantos da terra, o que você finalmente descobriu… essa parte não é fácil.

A terceira coisa que você descobre é que: A sua vida nunca mais será a mesma.

Isso porque você sabe que encontrou o que procurava.

Você sabe, não porque “sente” uma emoção forte, ou sente um “arrepio na espinha”, afinal essa certeza,

essa convicção (que chamamos de FÉ) não é simplesmente uma obra de emoções… é muito mais que isso.

Essa certeza, essa Fé, a convicção de que você O encontrou, é o sintoma do “nascer de novo”…

E aí nos deparamos com uma coisa realmente difícil: Definir o que é “nascer de novo”.

Já sabemos que (quando “nascemos de novo”) nosso espírito humano é vivificado e etc…

mas como explicar para as pessoas o que experimentamos? O que sentimos?

Em minha experiência foi assim:

Imagine se seus olhos estivessem se abrindo para uma nova realidade…

Como se você começasse a enxergar coisas que nunca imaginou…

coisas que nunca acreditou… e que sempre duvidou.

Quando você nasce de novo, você nasce no espírito, e a consciência reage a isso…

E aí, é impressionante como as coisas mudam de dentro para fora. Elas vão mudando lentamente…

e aquilo que antes te dominava, já não domina mais…

Aquilo que antes te cegava, já não cega mais…

Aquilo que antes era dúvida e incógnita, agora é firme, claro e nítido.

Algumas coisas são instantâneas quando nascemos de novo… Algumas…

Mas uma delas, e para mim a mais importante, é a percepção do amor que passamos a ter.

Percebemos o amor como nunca antes, descobrimos um Amor que nunca nem imaginamos que existia.

Um Amor eterno, infinito, indimensionável, e mais forte que a morte…

A morte não nos assusta quando estamos na presença desse Amor…

Ela se torna indefesa… inofensiva… incapaz de nos atingir…

A morte é reduzida à menor das coisas na presença desse Amor.

Ela enfraquece, enfraquece… até ser reduzida a uma pequena gota em meio a um oceano. Sem força, sem presença, sem expressão, sem autoridade. Sem nada.

O amor é mais forte que a morte.

Essa é uma das coisas que descobrimos quando nascemos de novo.

Nascer de novo é uma experiência pessoal e intransferível. Não tem jeito de induzirmos alguém a isso, tem que ser verdadeiro…

e para ser verdadeiro, tem que ser no espírito, só assim será verdade.

“…em espírito e em verdade”.

Viver “em espírito” (no controle do Espírito Santo de Deus) vai além da consciência, não somos nós que estamos no controle… é viver num estado que independe das circunstâncias ao redor.

É por isso que é tão difícil explicar para os outros o “sentimento” de nascer de novo… porque não é exatamente um “sentimento”, mas é um estado de espírito que independe dos sentimentos.

No momento em que nascemos de novo, entramos numa fase que muitos chamam de “primeiro amor”. Os crentes sabem o que é isso,

todos aqueles que já viveram isso sabem…

Tudo é novo…

Durante o primeiro amor tudo é diferente…

Parece que entramos na dimensão da eternidade, onde tudo é lindo…

Perfeito… Agradável… Bom…

Porém, não nos ensinam a lidar com a dimensão do tempo…

A dimensão difícil em que nos encontramos, em que vivemos.

O tempo vai passando, e a nossa alma vai se adaptando… ela é traiçoeira (enganosa) e desesperadamente corrupta

(Jeremias 17:9), a dimensão do tempo favorece a sua corrupção, porque no dia-a-dia ela é instigada pelas seduções deste mundo.

Movida pelas pressões externas, pelo bombardeio das incredulidades (de muitos ao seu redor), pela constante ministração do “espírito de curtir-a-vida” que o mundo oferece, e pelos entretenimentos dessa vida… a alma começa a “pedir de volta” os antigos hábitos,

os antigos “vícios”, os antigos costumes, o antigo estilo de vida, aquele em que ela liderava…

Ela quer de volta a velha criatura… aquela que a alimentava, que a valorizava… que a estimulava…

ela começa a querer tudo de volta porque ela quer voltar a governar…

A alma não conhece nem o caminho, nem a porta estreita, só a larga.

Então, como se não bastasse a guerra exterior (espiritual), começa a guerra interior…

começam as lutas… começa o processo de santificação.

E aí, quando decidimos entrar pelo caminho da santificação, pela porta estreita e pelo caminho apertado,

descobrimos porque temos de ir em direção a cruz de Cristo.

Descobrimos porque temos de carregar a nossa própria cruz… uma cruz que não é de madeira como a do nosso Senhor,

que não é física e material… mas que é a representação do lugar onde crucificaremos tudo aquilo que a nossa alma (viciada em governar) quer.

Descobrimos que teremos de abrir mão de um monte de coisas… não porque nos mandaram abrir mão,

mas porque descobrimos que aquelas coisas nos afastam do verdadeiro amor.

Descobrimos que a porta e o caminho estreito, que conduzem a vida, passam por essa cruz…

e que a cruz é o exercício de abrir mão das coisas que nos afastam da santidade (e da vontade) de Deus.

Mas a nossa alma tenta nos confundir… ela começa a nos dizer que a nossa vontade é boa… que não tem “nada de mais” em nossas vontades… que “não tem problema” se queremos algo que está fora da vontade de Deus…

pois é, ela é enganosa e corrupta… não podemos dar ouvidos a ela.

Quando nós começamos a resistir as mentiras da nossa alma, e as mentiras do diabo (muitas vezes assopradas em nossa mente como setas), então vem contra nós um novo tipo de ataque espiritual: O medo.

Começamos a ser bombardeados com o medo por todos os lados… Passamos a ter medo disso e daquilo… e surgem até mesmo novos tipos de medos.

O medo e a morte são muito íntimos um do outro… eles sempre andam juntos, são muito próximos um ao outro…

Mas “o verdadeiro amor lança fora todo o medo” (1 João 4:18) e é mais forte que a morte…

Como eu sei que ele é mais forte que a morte?

Em Cantares 8:6 diz:

“…porque o amor é forte como a morte…”

Observe: É forte como a morte…. ou seja, ele é tão forte quanto a morte.

Porém, há muito tempo atrás houve uma “briga feia” entre eles dois (o amor e a morte), e quem será que ganhou?

A resposta está em Apocalipse 1: 11 – 18, vamos ler:

 

“…Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro…”

“E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro;

E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.”

Aqui está a resposta:

Quem ganhou a briga foi o Amor.

Por isso o Amor, o Verdadeiro Amor é mais forte que a morte.

Ele venceu.

 

 

 

O Encontro

(Parte 2)

 

Pois é…

Foi por isso que no dia em que Jesus me visitou no meu quarto, naquela noite de verão no final de Outubro de 1997, Ele me mostrou o amor que eu nunca tinha experimentado…

Um amor que não se explica…

Que não se pode medir… nem se pode suportar…

Como eu me lembro daquele dia…

Está gravado eternamente dentro de mim aquele momento em que Ele chegou no meu quarto em Espírito, e me chamou pelo meu nome…

Eu fiquei estarrecida quando vi que Ele sabia o meu nome… eu nunca havia imaginado aquilo, que Deus me chamaria pelo meu nome.

Ele me conhecia. E eu não o conhecia.

O amor entrou naquele quarto, encheu todo o lugar de uma forma tão poderosa que eu não pude suportar… e caí da minha cama para o chão, rolando de camisola… e me prostrei rosto ao chão.

Eu mal conseguia respirar de tanto choro.

A presença de Deus era muito mais forte do que eu podia suportar, por isso comecei a “passar mal” de emoção, porque minhas emoções não estavam preparadas nem capacitadas para experimentar aquilo.

Chorei compulsivamente na presença do amor dEle, era muito forte… mais forte que a morte.

Como eu sei?

Porque ela também foi lá.

A morte foi lá.

Ela chegou perto, estava a espreita esperando eu sucumbir à emoção… e foi quando eu comecei a sentir meus dedos formigarem…

Minha respiração travou no diafragma acelerado e compulsivo… os soluços já não saíam mais, porque o diafragma já não voltava,

já não descia mais da caixa torácica… meu coração parecia apertado dentro do peito, e começou uma dor sutil…

mas a dor foi aumentando na medida que a respiração não voltava…

Naquele instante senti que ia morrer…

Mas o mais estranho: Eu não me importei.

A morte não me assustou.

Eu estava na presença do Verdadeiro Amor.

Era a coisa mais maravilhosa que eu já havia experimentado na minha vida…

Não havia nada, nada, nada nessa vida que pudesse se comparar aquilo…

Todos os prazeres se tornaram insignificantes perante aquilo que eu estava experimentando… era indescritível…

Jamais esquecerei.

E no momento em que meu coração parecia que ia parar… Ele falou mais uma vez comigo, Ele me disse assim:

“Agora eu vou parar de falar com você, porque o seu coraçãozinho não está agüentando. Mas não sairei daqui,

continuarei na forma do meu Espírito Santo”.

 

E eu, que já não tinha ar, disse em pensamento, tentando articular as palavras com a boca que não produzia mais som:

 

“Não! Por favor, Não! Não pare de falar comigo! Não vá! Fique! Por favor, fique!”

 

E Ele continuou dizendo que ia deixar o Espírito Santo em seu lugar…

E naquele exato momento, a presença do amor dEle diminuiu… e imediatamente meu diafragma foi soltando do fundo do tórax,

minha respiração foi voltando bem devagar… e o choro foi voltando a ter som…

 

Jesus veio falar comigo, em pessoa, e eu só não morri porque Ele não deixou.

Um segundo a mais, e meu coração não teria suportado…

Mas o mais incrível para mim foi que, quando eu fui voltando a atmosfera natural, quando eu fui voltando a realidade da dimensão em que estamos, fui percebendo o que havia acontecido (e o que eu havia pedido a Ele no momento em que Ele me disse que teria que parar de falar comigo…) eu havia dito a Ele que não me importava em morrer, mas que, por favor, Ele não fosse embora de jeito nenhum, e que não parasse de falar comigo, porque eu nunca, em toda a minha vida, havia experimentado algo tão maravilhoso. Eu não queria que aquilo acabasse.

A morte perdeu toda a sua força perto daquele amor. O medo desapareceu perto daquele amor… e tudo o que eu mais queria naquela hora, era ficar lá, na presença daquele amor para sempre, eternamente… Foi a coisa mais maravilhosa de toda a minha vida…

A eternidade estava ali…

Ela me visitou, me tocou, e entrou dentro de mim.

Era a Sabedoria… Era a Eternidade… Era o Verdadeiro Amor.

Naquele momento, a felicidade era a menor de todas as sensações que eu estava experimentando…

Aquele amor provocava em mim sentimentos muito mais profundos que aqueles produzidos pela felicidade, eram sentimentos ligados a eternidade.

No momento em que Ele, o Senhor, se aproximou de mim naquele quarto, Sua presença parecia uma fogueira que ardia, mas não queimava, um fogo que consumia toda dúvida, todo pensamento inútil, toda futilidade… toda carnalidade…

E só restava Ele… Santo… o Mestre, o Verdadeiro Amor…

Reinando soberano sobre todas as coisas dentro de mim.

E isso que eu experimentei, foi apenas uma minúscula fagulha da presença dEle… da presença da Glória dEle.

 

Meu Deus! Quero te ver…

Quero te tocar…

Quero olhar em teus olhos…

E te dizer:

Te amo…

Eternamente, Te amo Jesus…

 

Sou tua Senhor, eternamente.

 

Sarah Sheeva

02/11/2009

Eu reconheço que preciso de um Salvador…

Este vídeo ilustra que nós (humanidade) não somos capazes de salvar a nós mesmos… mas que Deus conhece o desejo do nosso coração – nossas vontades mais profundas – de sair do buraco (Ele conhece quando essas vontades existem, ou quando elas surgem num coração afundado no buraco).

Muitas vezes o “buraco” que estamos, que caímos, que “nos enfiamos”, é fundo demais… simplesmente não sabemos como sair dele… e ninguém consegue nos ajudar. Alguns dizem que devemos fazer isso ou aquilo, muitas “religiões” nos ditam dogmas e doutrinas… mas na verdade, a única coisa que devemos fazer, a única que realmente importa é nos relacionarmos com Deus (na pessoa de Jesus Cristo e Seu Espírito Santo), porque somente esse relacionamento (que é o contrário de um ato religioso, porque ele não é um ritual, mecânico, obrigatório, mas é algo espontâneo) somente ele nos aproxima mais de Deus.

No entanto, por si só, Deus já está próximo de nós. Fomos nós que nos afastamos dEle. Fomos nós que “demos ouvido à serpente…” fomos nós que não prestamos atenção no caminho… que não olhamos atentamente para o chão, e que não vimos o buraco bem a nossa frente… e caímos.

Depois que a humanidade caiu, todos tentaram (por meio da lei) agradar a Deus… mas foi em vão, porque ninguém conseguia ser totalmente aprovado. Até mesmo Moisés, um grande homem de Deus, no final da vida foi reprovado, e por isso não entrou em Canaã…(Dt 34.4) Até mesmo Elias, no final de sua batalha contra Jezabel, se acovardou (1Reis 19.4)… Todos erraram, todos tropeçaram… todos caíram em algum momento… ninguém nunca havia conseguido recuperar o direito espiritual de “voltar para casa”. Mas aí veio um homem. Ele não era apenas um homem, Ele também era o nosso Salvador… O próprio Deus encarnado… O “Eu Sou”… O Verbo que se fez carne. E foi Ele que nos salvou. Ele conseguiu nos tirar do buraco que nós mesmos nos enfiamos…

Antes dEle vir nós tentamos de tudo… mas tudo foi em vão.

E é exatamente isso que esse vídeo mostra: que antes de Jesus vir, o homem tentava (e tenta até hoje) de todas as maneiras, salvar a si mesmo… mas não adiantava. Quando Jesus vem, quando Ele chega em nossas vidas, é Ele quem nos salva… Ele é o único capaz disso, ninguém mais.

Ele disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém VEM ao Pai a não ser por Mim…(João 14.6)”

Depois da queda do Homem, a natureza humana passou a sofrer um terrível mal:

“A sensação de sermos indignos de ser amados…”

E, em minha opinião, o mistério mais profundo desse vídeo é a compreensão da nossa “justiça própria”: Um círculo vicioso em que a humanidade se encontra, em busca de alívio para essa terrível “sensação” de ser indigno de amor. Tentamos a todo custo nos tornarmos justos (e fazer justiça) por nós mesmos, tentamos a todo custo sermos “aceitos”, sermos amados por nossos méritos humanos…  tentamos de todo jeito salvarmos a nós mesmos dos buracos que nos enfiamos… mas não adianta, nada do que fazemos é suficiente. Nada disso nos preenche. Continuamos a nos sentir indignos de ser amados.

Porque? Por vários motivos.

Primeiro, porque o papel do diabo é esse, ele nos acusa 24 horas por dia de “não sermos dignos de ser amados”. E é por isso – por causa dessa acusação – que estamos sempre nos sentindo “culpados”, que sempre parece que não fizemos o “suficiente”… que estamos sempre buscando ter, ter, ter, ter… ou então:  fazer, fazer, fazer, fazer… em busca de aprovação, em busca de amor, de aceitação, em busca da felicidade…

Segundo, porque pensamos que sabemos o caminho, pensamos que sabemos a maneira que as coisas devem ser, devem acontecer… mas não sabemos. E por isso, por pensarmos que sabemos, nós só nos frustramos. Mas por incrível que pareça, quando nós finalmente nos frustramos com a nossa própria sabedoria humana, com a nossa “justiça própria”, Deus então vem mostrar para nós porque Ele é chamado de Salvador.

Depois que descobrimos que não adiantou ter, ter, ter, ter… fazer, fazer, fazer, fazer… Ele nos mostra que a única coisa que precisamos é: Ser, ser, ser, ser, ser…

Ser o quê?

Ser filho de Deus. Ser parecido com Jesus. Ser seguidor de Jesus. Ser santo como Ele é. Ser completamente apaixonado(a) por Ele…

Temos que nos lembrar que: “Ele nos amou primeiro…” (1João 4.19) O mérito não é nosso, o mérito é dEle.

Antes de nós o conhecermos, ou até mesmo sabermos da Sua existência, Ele já havia nos escolhido e nos amado. O amor dEle é imutável. Não há nada que possamos fazer para Ele nos amar mais, ou para Ele nos amar menos… Isso é imutável.

Veja bem, algumas coisas na vida Cristã não são de graça… por isso Jesus disse: “Quem quiser me seguir, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e (depois disso) siga-me…” (Mt 16.24). Ou seja, para segui-lo temos que (pelo menos): Negar a nós mesmos e tomar a nossa cruz…

(negar a nós mesmos significa: negar as nossas vontades. E tomar a nossa cruz significa: fazer a vontade de Deus, uma vontade que nem sempre nos agrada, que parece absurda, mas que é a melhor).

Mas há duas coisas na vida Cristã que são de graça, de graça mesmo: A Salvação e o AMOR de Deus por nós.

Ele simplesmente nos amou. Decidiu nos amar… nós não merecemos mesmo esse amor, mas nós recebemos, ou seja, aceitamos – mesmo sem compreender – esse grande AMOR que Ele tem por nós .

Esses dias estou gravando uma de minhas músicas favoritas do novo CD, ela tem tudo a ver com essa mensagem, e se chama: “Jamais te Deixarei”. Eu a recebi do Senhor em 2005.  Leia um trecho da letra.

Jamais te Deixarei

(Letra e Música: Sarah Sheeva)

“Jamais te deixarei, jamais te abandonarei, porque eu te amo amado da minh’alma.

…E o que mais me impressiona é saber que as minhas fraquezas te atraem pra mim… E o que mais me emociona é saber que tudo o que me falta eu encontro em Ti… Pois Tu és forte, em tudo o que sou fraco, e Tu é capaz de tudo o que eu não sou, pois em Ti está a força, e em Ti há Poder, eu reconheço que preciso de um Salvador…”

Mais uma vez o Senhor me salvou de mim mesma…

No dia em que eu recebi essa música foi assim, eu descobri que a minha “derrota” é a “vitória” de Deus na minha vida…

Ou seja, quando eu finalmente descubro que eu não sou,

aí eu descubro que Ele é.

O que Ele é?

Ele é tudo o que eu não sou.

E o que eu não sou?

Eu não sou nada.

E o que Ele é?

Ele é Tudo.

Nele eu posso viver… Nele eu  posso todas as coisas…

Não em mim, mas Nele.

Eu Nele e Ele em mim.

“…já não vivo eu, mas Cristo vive em mim…” (Gálatas 2.20)

Sarah Sheeva

06/08/2009

Somos servos de quem obedecemos…

Somos servos de quem obedecemos

 

Todos nós somos servos de alguém…

Alguns podem pensar que mandam em suas próprias vidas… Mas será que mandam mesmo?

Se uma pessoa tiver de entrar em uma mesa de cirurgia, às pressas, quem garante que tudo sairá bem? O médico?

Será que a pessoa que estará sedada e, portanto inconsciente, pode garantir alguma coisa?

Quem poderá garantir que tudo sairá bem?

Ou quem tem o poder sobre a vida e a morte daquela pessoa? Ela mesma?

O médico?

Com certeza nenhum ser humano tem o poder de determinar o resultado. Podemos até fazer planos, usar do nosso conhecimento e sabedoria humanos… Mas se Deus não nos favorecer, tudo será em vão.

“O coração do homem planeja o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos.”

(Provérbios 16.9)

 

A palavra “Senhor” significa “Dono”.

Quem tem sido o dono da sua vida? Você mesmo?

Quem é o Dono, o verdadeiro Dono?

De quem você depende? Do homem? Do seu trabalho? Da economia e etc?

De você mesmo?

Quem rege a sua vida? O seu humor? O dia a dia?

Quem tem determinado o seu “estado de espírito”? As circunstâncias? Você mesmo?

Ou a Palavra de Deus?

Quem “manda” em você? Quem determina a sua vida?

A  quem  você tem obedecido?

 

(Leia com atenção, e você vai descobrir).

 

A pessoa a quem nós obedecemos damos o “poder ” de ser o nosso “senhor”, o nosso dono, quem (ou o quê) nos domina.

Se nós obedecemos a Deus, então somos servos de Deus.

Mas se obedecemos ao pecado, à vontade da nossa carne, então somos servos do pecado e da nossa carne.

 

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado.”(João 8.34)

 

A palavra “servo” também significa “escravo”.

Aquele que “comete” significa “aquele que pratica”.

Praticar também é obedecer.

Por exemplo, podemos estar “obedecendo” a uma crença, a uma “programação” da infância, a um ensinamento, a uma tradição, a um sentimento, a uma emoção, ou a uma simples vontade… mas sempre estamos obedecendo a “alguém”.

Podemos nos tornar escravos das nossas práticas, se formos fiéis a elas mais do que somos fiéis a Deus e a Sua Palavra.

Somos “escravos” de quem obedecemos, porque se obedecemos, estamos dizendo que aquilo (ou aquela pessoa) é o “nosso dono”.

Se nós obedecemos, estamos consentindo, dando o poder (para quem é o nosso senhor/dono) de nos dominar, de mandar em nós, de determinar o que faremos ou não faremos.

 

João 8.28-34:

28- Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do homem, então conhecereis quem eu sou, e que nada faço por mim mesmo; mas falo como meu Pai me ensinou (“Não faço o que quero, obedeço aos ensinamentos do Pai celestial”).

29- E aquele que me enviou está comigo. O Pai não me tem deixado só, porque eu faço sempre o que lhe agrada (“Eu sempre faço o que Ele quer que Eu faça… Ele lidera, Ele manda… Ele é o Dono…”).

30- Dizendo ele estas coisas, muitos creram nele.

31- Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos (“verdadeiramente sereis meus seguidores, sereis parecidos comigo”);

 32- E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (“e a conseqüência disso será: vocês conhecerão a verdade – como Eu conheço. A verdade que sou Eu mesmo – e então vocês serão livres do pecado, do mundo, da carne, das suas vontades… vocês serão livres – deixarão de ser escravos – de seus senhores, de suas vontades…”).

33- Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém (“nunca fomos escravos de ninguém, somos o povo descendente da promessa”); como dizes tu: Sereis livres? (“Porque precisamos ser livres se não somos escravos de ninguém? De quem precisamos ser livres? De quem – ou do quê – nós somos prisioneiros?).

34- Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete (que pratica, que tem vontade e é dominado pelo) pecado é servo do pecado.(é escravo do pecado).

 

Esse último versículo mostra que, aquilo que fazemos revela quem é o nosso dono.

É por isso que as nossas vontades têm de estar subjugadas ao Espírito Santo (à vontade do Espírito Santo), porque se não, se a nossa vontade nos dominar, ela será o nosso “senhor” (dono), e seremos seus escravos por fazermos exatamente o que ela (a nossa vontade) quer.

Nossas atitudes revelam o nosso querer, revelam a nossa motivação.  O nosso querer revela quem tem governado sobre nós, quem tem nos motivado. Ou seja, as nossas vontades (querer) mostram quem é o nosso “senhor”, porque nós sempre fazemos o que decidimos fazer, o que queremos…  Ou porque temos vontades de fazer, ou porque agimos por fé.  Mas mesmo quando agimos por fé (crendo na Palavra de Deus e ignorando nossas vontades, ignorando as circunstancias, mesmo assim) estamos  fazendo o que decidimos com nosso livre-arbítrio.  Ou seja, estamos fazendo o que queremos.

Deus não viola o nosso livre-arbítrio, Ele determinou que seria assim. Que nós decidiríamos certas coisas… Que nós não seríamos “marionetes” manipuladas por Ele ou por outros… Mas que teríamos o direito de fazer o que queríamos (ou não queríamos) das nossas vidas, para que Ele soubesse exatamente o quê, e Quem nós queríamos. É a maneira como Ele sabe sobre nós, se estamos decidindo eternamente por Ele ou não.

Por causa dessa liberdade de escolha que Ele nos deu, às vezes queremos o pior… isso acontece quando a nossa carne nos influencia, nos sugestiona, e quando damos vazão a ela… E quando damos vazão a ela, damos “poder” a ela, damos “força” a ela, damos o direito a ela de nos influenciar.

Nossas vontades não devem governar sobre nós… porque elas são enganosas. 

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jeremias 17.9)

(Coração=alma=mente, pensamentos, vontades, emoções…)

As nossas vontades são corruptíveis, são influenciáveis… por isso elas não são seguras (“enganoso é o coração…”).

Segura e confiável é a vontade de Deus, que é boa, perfeita e agradável. Por isso devemos obedecer a vontade de Deus, e não a nossa.

Uma coisa que agrada a Deus profundamente é quando nós entregamos o nosso “querer” a Ele, porque Ele sabe que nós não somos obrigados a fazer isso, Ele sabe que se fizermos isso, é porque nós QUEREMOS.

Dessa forma seremos verdadeiros servos de Deus, e não servos da nossa carne e do pecado.

Teremos de decidir:

Servo de Deus ou do pecado?

Escravo de Deus ou das nossas vontades?

Se eu tiver de escolher entre dois ou mais “senhores”, eu prefiro ser escrava de Deus (que é justo e bom Senhor e Dono) do que ser escrava da minha carne (que é enganosa e traiçoeira), e do que ser escrava do pecado (que vem do caráter do diabo).

É uma questão de inteligência…

“Porque, quem conheceu a mente do SENHOR, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.”

(1Coríntios 2.16)

 

Rejeite o “espírito de burrice” que tem feito muitos crentes fazerem a escolha errada, e receba a “mente de Cristo”, que é, em outras palavras, a inteligência de Cristo, que nos faz fazer a escolha certa.

                     

                       Que Deus te abençoe,

 

Sarah Sheeva

02/07/2009

O que custou mais caro para Jesus?

 

O que custou mais caro para Jesus?

 

 

“…O que mais custou pro céu foi o seu direito de tomar decisões” .

(Dave Roberson, 22/01/09)

 

 

 

Estávamos na conferência do Dave Roberson, em SP, quando ele falou esta frase…

“…O que mais custou pro céu foi o seu direito de tomar decisões” .

Na mesma hora, Deus me disse “porquê” isso foi o “mais caro” para Ele (Jesus):

Porque se Ele não tivesse negado a Sua própria vontade, e crucificado ela (literalmente), hoje nós não teríamos opção, hoje nós seríamos escravos das nossas vontades.

Jesus lutou, pagou um alto preço na cruz (e venceu) para que você e eu possamos ser livres para escolher Ele, livres nas nossas vontades (dentro das nossas vontades) para escolher Ele.

 

Para quem não entende nada de “cruz”, preste atenção:

Na cruz Jesus trocou de vida com cada um de nós, por isso hoje,

cada um que crer nEle, e que o receber como Senhor (Dono) da sua vida, “troca de vida” com Ele no mundo espiritual.

A cruz funcionou assim no mundo espiritual, ela funcionou como uma espécie de esponja espiritual, que absorveu todos os pecados, todos os erros de todas as pessoas que já existiam (que queriam que Jesus fosse Senhor de suas vidas), e todos os erros daqueles que um dia iriam nascer, e querer Jesus também.

Ele morreu por pessoas que já existiam, e por pessoas que ainda nem tinham nascido…

O escrito de dívida que havia sobre nós, sobre toda a humanidade,

Ele pagou com a própria vida, morrendo em nosso lugar… trocando de vida conosco… e em troca da nossa morte, Ele nos deu a vida eterna que era só dEle, e tudo o mais que Ele tinha em si (Ele só tinha coisas boas).

 

O que custou mais caro para Ele foi o momento em que Ele teve de sentir as nossas vontades (podres) sobre as vontades dEle, e negar a cada uma delas.

E quando Ele teve de sentir isso, vieram sobre Ele não apenas todas as vontades mais imundas da humanidade, mas também todas as maldições, doenças, e desgraças existentes sobre a face da terra… por causa disso, automaticamente Ele foi separado de Deus.:

No momento em que Ele se separou completamente de Deus, no momento em que Ele ficou totalmente desamparado, Ele disse: “Pai, Porque me abandonaste?…”

 

 “E, à hora nona, Jesus exclamou com grande voz, dizendo:

Eloí, Eloí, lamá sabactâni? que, traduzido, é:

Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Marcos 15.34)

 

Foi nesse momento que Ele experimentou todas as nossas vontades corrompidas… Ele experimentou o que era uma vida governada pela alma, pelas vontades corrompidas da alma…

 

No jardim do Getsêmani Jesus orou fervorosamente (Lucas 22.44), e suou sangue devido ao stress e ao pavor, daquilo que Ele teria de enfrentar…

Mas do que Ele tinha medo?

Não era da dor física… não era da humilhação… o medo dEle era de ficar, por alguns segundos, separado do Pai Celestial, algo que Ele, sendo o filho de Deus, nunca tinha experimentado.

Esse era o “cálice” a que Ele se referia quando orou… De todos os “cálices” que Ele teria de “beber” durante o seu sacrifício, esse era o único que Ele não queria enfrentar…

 

Jesus sabia que esse seria o momento mais difícil de todo o sacrifício… Ele sabia que teria de vencer as próprias vontades, que eram de não se separar de Deus, e que teria de “trocar” de vontades conosco.

 

 

Mas Ele foi mais forte que cada uma daquelas vontades!

Ele conseguiu vencer a cada uma delas!

E depois de morrer por nós, levando em si a morte (que era para nós) e todas as demais desgraças… no terceiro dia Ele ressussitou!

Ele foi mais forte até que a morte! Ele venceu! Aleluia!

 

Quando o Espírito Santo governa sobre nós continuamente, e nos leva a um novo nível de santificação, a nossa alma começa a nos servir, porque ela começa a ser totalmente influenciada pelo Espírito, totalmente governada pelas vontades dEle, e ela literalmente começa a querer o que Ele quer! Ela passa a querer o que Ele quer!

O que mais custou caro para o céu, para Deus, para Jesus,

foi a restauração do nosso livre-arbítrio,

 

foi o nosso direito de tomar decisões.

 

Decida por Ele.

Ele merece.

 

Por Sarah Sheeva

22/01/09

 

What it Means to Be Free?

São Paulo, 18 e Fevereiro de 2009

 

Uma irmã em Cristo que mora nos Estados Unidos,

gostou da mensagem “O que é ser Livre?” e traduziu: 

 

 

 

What it Means to Be Free?

 

by Sarah Sheeva

Aug 2, 2008

 

 

Do you know what it is to be free?

Many people think that “ to be free” means to be able to do whatever you want in your life.

To be able to satisfy all your desires…

Therefore ,” to be free” it does not mean “to do whatever you want”.

The meaning of “being free” goes deeper

Than that…

Basically ’to be free” is the opposite of “to be a prisoner”

What is a “prison”?

According to the dictionary the word prison comes from the Latin word prensione ou prehensione.
1. place where criminals are confined: a secure place where somebody is confined as punishment for a crime or while waiting to stand trial
2. confinement: a place or condition of captivity or unwanted restraint His fears are a prison that he cannot escape.

You can observe that one of the meaning for this word is “ something that confine or captive the spirit or the heart”…

But anyway, what the word “prison” means for you?

A while ago the Holy Spirit of God taking to me, brought me a deeper understanding about what “prison” means.

“Prison” is when your are not able to stop doing something , even knowing that the thing is bad for me.

This is a good definition of “prison”.

When you are incapable to get rid of something that makes you bad…

You have knowledge that it is bad for you …but anyway you can’t let it go.

This is prison.

To be free is the opposite of being a prisoner.

And despite many people’s thinking, to be free is not “ to do whatever you want” because many times people do whatever they want and still they are not free…

SOMETIMES WE WANT THE WORST FOR OURSELVES…

For example, a person that suffers from drug addiction can decide to spend all his money and property on drug…

He just wants to do it …

However, if he decides that he does not want to do drugs anymore , probably he will not be able to stop it…

It happens because his desire is “confined” in drugs. His will is confined in drug.

Even knowing that drugs are bad, the person just can’t stop … This person was able to do whatever he wanted to but he is not free to stop doing drugs, he does not stop…

The truth is: “To be free” it does not mean “to do whatever you want“…

To be free is to be capable to say NO for everything that is not good for you!

This is the real meaning of freedom!

To be free is “to have a choice” …

To be free is “ to have an option to do the best for yourself ! (not the worst…)

A free person always are able to choose GOOD instead of BAD.

To be free is to be able to choose, without nobody’s pressure , by your own and spontaneous will everything that is GOOD for you, not BAD…

Some people think that Christians are “prisoners of religion”

Other people think that “ the life of sanctity” that the real Christian lives ( and proclaims) is a prison where people are not allowed to do anything, a prison with a lot or rules, repression and so on…

This is a wrong perception of the truth .

For real, Christians are allowed to do everything that everyone else do…

The difference is:

The real Christian, the one that lives in sanctity, is so free that he is able to choose GOD instead of BAD for his life!

He can say NO to sin and YES to sanctity ! Alleluia!

Reflect this:

Why is the real Christian free?
Because unlike the impious (Psalms 1:6, Proverbs 4:19), the real Christian is not lead by his own will but by Gods Word!

The real Christian knows that our own human desires are vulnerable and have no value , and make us perish , because sometimes we want the worst for ourselves .

I lived this situation many times.
Even in relationships.

Many times a person get involved with someone that can not respond with the same love, and even knowing that this relationship makes her feel miserable, making her suffer, she can’t get out of the situation.

Many times we do not SEE the truth!

One of the first thing I learned in the Bible.
God’s will is GOOD, PLEASANT AND PERFECT.

THIS IS HIS WORD FOR US ! (Romans 12:2)

I learned also that his will is that way, so his will is much better than my will.
I learned to present all my desires in His hands… all my wishes. I finally decided to surrender and trust, even to renounce my own will.

But , what all of this has to do with freedom?

Jesus said:

“… you will know the truth and the truth will set you free!” (John 8:32)

“I am the way, the truth, and the life. No one comes to the father except trough me…” (John 14:6)

It kind a like this:

The truth is Goodness… Lie is badness. 

The truth comes from GOD… The lie comes from the devil.

When we are free, we chose Goodness, and not Badness, remember?

Knowing the Truth has everything to do with being free. “You’ll know the truth and the truth will set you free”…

(Got it ?)

To be free is TO KNOW THE TRUTH…

To know Goodness …

To know Jesus…

And … when you know Jesus truly, you desire to be the way He is…

And He is Holy! (Jesus is Holy!)

That’s why (because he is Holy) you start to desire to be holly, to live a holy life, walk in holiness on the earth…

That means sanctity is part of your freedom…

To be holy has everything to do with to be free…

Despite many people think, who lives in sanctity ( who is really holy and do not live doing bad) is not “attached” to anything!

Neither religion, nor culture, habits, or delights , !

Who is holy, makes his desires to become “holy”…

His pleasure and will are “committed ” to God‘s will…

I can testify:

I am free!

Truly free!

I’ve been to many periods and process of sanctification in my life…

I know it is an eternal learning journey…

But nowadays, after the long way I’ve walked, I can tell you from inside my heart, because it is the truth: I succeeded!

For sure , it was not for my own strength , it was God working in my life! But I succeeded!

Today I live another reality!

wonderful…

My desires are more and more attached to God’s desires

And I am more and more in love with him!

Nowadays I am noxious towards sin and all that is bad for my life.

That‘s why I can testify one thing: it is wonderful to be free!

It is worthy to pay the price of being holy in a world corrupted by immoralities!

It is worthy to serve God!

The most wonderful is to a Christian!!!

I do not feel loneliness…

I do not feel emptiness…

I am free!

I am able to say NO to sin.
But the “NO” is not lip service, it comes from inside my heart!

I am delightful in little things in life…

I have interior peace… a peace that “ surpasses all understanding and guard my heart ”…

. (Philippians4:7)

I have happiness of being alive…

There’s no words to describe the love I have inside myself, the love that did not exist before I knew Jesus.

The love that covers everything, overcome everything, forgive everything, heals everything!

A love that express His Grace!

It is awesome to be a Christian

It is awesome to be free!

And it is truth!
The Bible is truth : His Grace is truly enough for !

“my strength is made perfect in weakness! (2 Corinthians 12:9)

And this is for everybody…

“ And you will seek me and find me, when you search for me with all your heart . (Jeremiah 29:13)

For all those who chose goodness for his own will.

The good, perfect, pleasant God’s will…
That’s why you also can be free!

Make an effort to know the truth! “the kingdom of haven suffers violence and the violent takes it” (Mathews 11:12)

Look inside yourself and reflect about your life….

Think about how you have been living…

Have you been seeking God?

Have you been related to you Father in the heaven?

Have you set some time aside to Know Jesus?

Are you free?

Have you been able to say No to sin and everything that is bad for you?

Have you won or been defeated by your own will?

Have you lived in Sanctity? Or doing bad?

Have you been able to say “Yes” to God and “NO to the devil?

What are the choices you have done?

Think about it…

Analyze yourself…

Review your life!

Ask” in the name of Jesus” God’s Holiness. That his Holiness enters you body!

And everything is going to change from now on.

In the moment you ask Him, the truth is going to come, and the knowledge comes with the truth!

The truth enters your body, and sets you free!

The ignorance is defeated! The truth won!

Now the devil can not deceive you with his lies !Glorify God for that !!!

Now you are free to live in sanctity. With no accusation, no prejudice

Eventually…

You have the choice, chose what is good, chose to be free!

Wanna be free?

“…And you will know the truth and the truth will set you free” (John 8:32)

Nobody loves you like Jesus…

Stay in peace!