A Bíblia e a Homossexualidade: A Diferença Entre o Conteúdo e a Forma

A forma nem sempre revela o conteúdo.
A forma nem sempre revela o conteúdo.

Ontem eu postei em minha página do Facebook o link de uma outra página (do face) sobre testemunhos de ex-gays homens e mulheres (https://www.facebook.com/pages/Ex-gays/1418622878421889?fref=ts), e recebi alguns comentários bons, e outros não tão bons.
Quero compartilhar com vocês algo que poderá edificá-los, e principalmente ajudá-los a ajudar as outras pessoas, pois muitas vezes o CONTEÚDO e a intenção dos irmãos (em comentar) são bons, porém a FORMA de transmitir a mensagem não.
Vejam um dos comentários (que foi postado em minha página por um dos seguidores), e logo abaixo vejam a minha resposta.

O comentário foi:
“…haverá condenação no juízo final, sera que (os gays) esqueceram? A Bíblia é bem clara! Não deitarás homem com homem e nem mulher com mulher… faltam entenderem. Aqui na terra podem ser felizes sim, sem esquecer que o Filho de Deus virá, e será Juiz, e não mais advogado.”

Minha resposta ao comentário:
Sim, a Bíblia diz isso mesmo. Esse é um CONTEÚDO que ela também nos dá.

Porém, vejamos DIFERENÇA ENTRE o CONTEÚDO e a FORMA:

A FORMA como TRANSMITIMOS esse CONTEÚDO Bíblico (às pessoas) deve ser melhor, mais esforçada NO AMOR, porque? Porque dessa FORMA aí do comentário acima (mencionando a “condenação” e o juízo) as pessoas que estão sofrendo com essas vontades (homossexualidade) se sentem ainda piores do que já estão por dentro, nas emoções e nas vontades.
Essa FORMA de transmitir não ajuda, essa FORMA só prejudica.
Prejudica tanto as pessoas que estão passando por isso, como prejudica o CONTEÚDO da Verdade do Evangelho que tanto queremos apresentar a essas pessoas.
Precisamos melhorar a FORMA, para conseguirmos transmitir o CONTEÚDO. Não adianta nada FALAR se as pessoas não conseguem ENTENDER.
Nunca devemos falar ou tratar as pessoas que sofrem com essas vontades (homossexualidade) como se elas estivessem fazendo isso por “pirraça”, porque elas não estão!
E essa FORMA aí (do comentário acima) de transmitir, dá a entender que “é fácil” lidar com a situação que eles estão, com essas vontades, etc, porém sabemos que não é fácil!
Essas VONTADES são uma batalha INTENSA e dolorosa dentro dessas pessoas.
É preciso ter sabedoria do Espírito para realmente ajudá-los.
Podemos e devemos sim anunciar a VERDADE a essas pessoas, mas NUNCA transmitir essa VERDADE de uma FORMA “condenadora e julgadora”, pois ao invés disso ajudar, essa FORMA AFASTA as pessoas (que estão sofrendo muito em suas vontades).
Temos que buscar mais AMOR para falar desse assunto, pois estamos lidando com o mais íntimo da alma de muitas pessoas, sendo que alguns já sabem da Verdade, e por isso, sofrem diariamente lutando contra essas vontades (até que sejam verdadeiramente transformados).
Igreja, tenhamos mais AMOR para tratar do assunto: HOMOSSEXUALIDADE.
Precisamos apresentar para essas pessoas o CONTEÚDO da VERDADE do AMOR de Jesus Cristo (que morreu por eles também!) e do Seu Poder!
O CONTEÚDO do Evangelho é mais importante que a FORMA como o transmitimos, mas a nossa FORMA (ruim ou errada) de TRANSMITIR esse CONTEÚDO pode prejudicar e impedir essas pessoas de terem acesso a esse maravilhoso CONTEÚDO do Evangelho de Jesus Cristo.
Portanto, nós que já somos livres em nossas VONTADES, que já temos consciência da Verdade, temos responsabilidade com a nossa FORMA de comunicar essa VERDADE do Evangelho a essas pessoas!
E digo mais: seremos COBRADOS DISSO!!! (Por quem?) Pelo nosso Senhor!!
Por isso, tenhamos mais atenção, mais paciência, mais AMOR, e mais responsabilidade em nossa FORMA de comunicação desse maravilhoso CONTEÚDO tão precioso para todos (que é a Bíblia e a Verdade do Evangelho de Jesus Cristo).
Que sejamos TRANSMISSORES eficazes dessa VERDADE e desse CONTEÚDO, e não destruidores da compreensão dele.
Com Amor,
Paz, Pastora Sarah Sheeva
30.05.14

Obs:
Aprendi isso (sobre Conteúdo e Forma) em um dos livros do Psicólogo e Pastor Paulo Cesar Pereira, o nome do livro é “Os Mandamentos de Homens na Igreja de Cristo”. Quem quiser adquirir esse livro, acesse o Facebook do Pr.Paulo: https://www.facebook.com/paulocesar.pereira.1963?fref=ts

Sigam minha página do Facebook: https://www.facebook.com/pages/Pastora-Sarah-Sheeva/167117100009958

 

A APROVAÇÃO DE DEUS, E O AMOR DE DEUS: DOIS ASSUNTOS DIFERENTES.

Óleo e água são coisas diferentes...
Óleo e água são coisas diferentes…

Muitas vezes as pessoas (cristãs) misturam muito os assuntos.
Por exemplo: alguns misturam o assunto “agradar a Deus” (aprovação de Deus), com o assunto “o amor de Deus por nós”. Mas são assuntos diferentes.
Deus nos ama, o amor dEle é imutável… Mas não confunda, Ele é o SENHOR, e nós somos os servos!
Nós servimos, e Ele é servido.
Ele é Dono do Universo! O Dono da vida!
Quem tem que ser agradado é Ele! Quem tem que “gostar” é Ele, e não nós.
Ou seja, o fato dEle nos amar, não muda o fato dEle ser o Senhor (e de nós sermos os SERVOS dEle).
Quem precisa ser agradado? (Nós? Claro que não!) Ele!

Portanto o amor dEle não tem nada a ver com a aprovação dEle sobre nós.
São assuntos diferentes.

Algumas coisas agradam a Deus, dentre essas coisas a fé e a santidade (que são frutos do relacionamento de intimidade com Deus – Hb 11.6, Mt 6.6).
Porém, há outras coisas que O desagradam, como o pecado. Deus odeia o pecado, e se praticarmos o pecado, isso nos afasta de Deus (porque nos contamina com o que Ele detesta). (1João 3.5)

Porém isso (o nosso pecado) não muda o amor dEle por nós.
Deus continua amando as pessoas, elas pecando ou não.
É como diz aquele ditado: “Deus odeia o pecado, mas ama o pecador”.
Portanto O AMOR DE DEUS é imutável, e não pode ser abalado por nós!
Ou seja: Deus não passa a nos amar “mais” porque O agradamos, ou a nos amar “menos” porque o desagradamos.
O amor dEle é imutável, não depende de O agradarmos!
Entenderam isso?
NÃO TEMOS O PODER DE ABALAR O AMOR DE DEUS.
Não há nada que possamos fazer para alterar o amor de Deus pela humanidade.
Não há nada que possamos fazer para Deus nos amar MAIS… ou nos amar MENOS.

Porém, não podemos confundir esse AMOR com a aprovação de Deus. Porque agradá-lO É OUTRO ASSUNTO.
Agradar a Deus traz sobre nós a aprovação dEle, e isso nos possibilita viver cada vez mais perto dEle, pois nos tornamos mais santos, mais parecidos com Ele…
Enquanto que desagradá-lo (desobedecê-lo, pecar) nos afasta cada vez mais dEle. Mesmo Ele continuando a nos amar… mesmo o amor dEle sendo imutável, mesmo assim… Desagradá-lO nos afasta dEle.
Porque?
Porque Ele não compactua com o pecado, Ele é Santo.
(E essas são coisas que fazem parte da tal “complexidade” do mundo espiritual. Jesus é simples, Sua a salvação é simples… mas o mundo espiritual é complexo. Se desobedecermos a ordem dEle de santificação, a complexidade do mundo espiritual vem sobre nós. São as consequências do pecado).

Portanto, busquemos agradá-lO cada vez mais, busquemos a aprovação de Deus, porque o amor dEle nós já temos!
Você tem dúvida disso?
Então leia João 3:16:
“Porque Deus AMOU o mundo de TAL maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

Paz, Sarah Sheeva
11/02/14

O que tem tocado aí dentro deste templo?

Alguns assuntos são muito delicados para se comentar, principalmente quando envolvem pessoas que amamos.
Aproveitando algumas notícias da mídia, e já respondendo as perguntas que estão me enviando a respeito, existe algo que vocês podem ter certeza sobre mim:

Eu JAMAIS voltarei a cantar músicas que não sejam de adoração a Deus.
É uma decisão, não apenas profissional, mas espiritual e ministerial.

Acredito no seguinte: podemos ter “amigos” no mundo, podemos andar no mundo, fazer a diferença, sermos a luz do mundo, etc… mas o mundo não pode andar DENTRO de nós.
Ou seja: Não podemos amar as coisas do mundo, os prazeres do mundo. Precisamos amar as PESSOAS do mundo.
Amar, nesse caso, significa sermos usados como instrumento de salvação para os perdidos.

Acredito que a música é algo ESPIRITUAL, é energia pura, algo sobrenatural. Acredito (e também tenho respaldo bíblico) que a música tem o poder de entrar dentro de nós e ministrar a nossa alma e o nosso espírito humano.
(Lembra de como Davi expulsou o espírito imundo de Saul ao ministrar louvor? 1 Samuel 16.23)

Nós somos o TEMPLO do Espírito Santo.
Então pergunte a você mesmo:
O que tem TOCADO aí dentro deste templo?
Dentro de mim só tocam os louvores de adoração ao nosso Deus! Nenhuma música profana ou de simples entretenimento toca dentro de mim.
Porque?
Porque EU SEI que DEUS NÃO CRIOU A MÚSICA PARA DAR PRAZER AO SER HUMANO (essa frase é do Pr.Cirilo), mas Deus criou a música para a adoração a Ele.

Acreditar nisso seria isso um tipo de “religiosidade”?
Não. Como eu sei que não?
Por causa da experiência prática da mudança nas minhas vontades.
Houveram muitos anos (após a minha conversão) que eu continuava com a prática de ouvir e cantar músicas que não eram de adoração a Deus, e enquanto eu não abandonei essa prática, muitas vontades malignas não me abandonavam, e muitas áreas da minha vida continuavam aprisionadas.
Posso testemunhar, e sei que muitos outros Cristãos podem testemunhar que, após deixarem a prática de ouvir músicas profanas, houve mudança em suas vontades, e em muitas áreas de suas vidas.

Precisamos ser um tipo de crente que, se Deus mandar deixarmos algo, deixamos NA HORA!

Precisamos ser um tipo de crente que “põe a mão no arado e não olha mais para trás…”

Porque quem põe a mão no arado e olha para trás (sente saudades do mundo) não é digno de Jesus.

Não foi fácil para mim, não foi fácil deixar certas músicas… Mas eu amo Jesus MAIS.
Eu amo Jesus MAIS do que qualquer prazer deste mundo.

Eu nasci na música do mundo. O preço de renúncia que eu paguei para poder servir ao Senhor foi alto. Por Jesus eu abandonei toda uma carreira. Eu não teria abandonado se Ele não tivesse pedido, e se deixar de obedecer não fosse algo que realmente pudesse comprometer minha caminhada em direção a eternidade.
Mesmo assim, sei que o preço que paguei não se compara com o preço que Ele pagou pela minha vida.
Por isso eu deixei tudo por Ele.
E deixaria de novo.

Lucas 9:62

“E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.”

Traduzindo:

“Ninguém que começa a fazer a obra de Deus e fica com saudades do mundo, está capacitado para receber o reino de Deus.”

Por isso, quando alguém questiona (ou duvida que valha a pena) o nosso esforço em renunciar as coisas do mundo para seguir a Jesus, eu digo:

“Me mostre as tuas convicções, a tua teologia (ou até o teu ateísmo), que eu te mostro a mudança nas minhas vontades.”

Ser livre não é fazer o que quer, ser livre é conseguir querer o que Deus quer.
Ser livre é obedecer a Deus, e não ao diabo.

Paz,
Pra.Sarah Sheeva

28.10.12

Felicidade

Vou compartilhar um pouco do que foi ministrado ontem lá em Taboão da Serra-SP.
Foi muito forte tudo o que Deus fez lá… Falamos sobre a Felicidade, pela busca do ser humano por ela… todos estão em busca dela. Pessoas fazem de tudo em busca dela… Mas apesar disso, só uma minoria é feliz. Porque?
Porque nós confundimos Felicidade com Prazer, Felicidade com sensações, Felicidade com emoções…

Por exemplo, Felicidade não é alegria, alegria é uma “emoção”, a alegria pode ser passageira…
mas a Felicidade não, ela é CONSTANTE.
A Felicidade é um estado constante interno, ela não pode ser abalada por nada EXTERNO, porque?
Porque “vencer” é: “vencer por dentro”.
Não é externo… é algo que recebemos dentro de nós.
“Vencer” tem a ver com realização, com o cumprimento do propósito da tua existência… pra que você existe?
Você nasceu com um propósito!
A Felicidade tem a ver com o cumprimento do motivo/propósito da tua existência!
Você precisa descobrir qual é o motivo da tua vida…
A Felicidade não é um “tesouro” físico, é algo que a “traça e a ferrugem” não corroem, e os “ladrões” não podem roubá-la…
Felicidade é algo que vem do Reino, não vem do sistema/mundo. Por isso Jesus disse para não ajuntarmos coisas de “valor” aqui nesta dimensão, porque tudo aqui acaba.
Mas a Felicidade não, ela é eterna… porque ela é um tesouro do Reino, um presente dado pelo Rei a nós…
Mas o Rei não dá este presente a quem não pertence ao Seu Reino, Seu domínio, Seu Governo… porque esses são “democratas espirituais”.
O Rei tem o direito de dar o “presente” dEle a quem Ele quiser, Ele é o Dono!
Então Ele escolheu dá-lo a quem pertence a “monarquia espiritual” dEle,
Ele escolheu dar o presente da Felicidade a quem está debaixo do Seu governo, do Seu Reino… É assim que funciona o mundo espiritual…
Quem é da “monarquia espiritual” é “teocentrista”, mas quem é da “democracia espiritual” é “humanista”.
O humanista é dono das suas coisas, mas o teocentrista não.
O teocentrista sabe que TUDO pertence ao Rei, que o Rei é o DONO de tudo!
É isso que eu chamo de “monarquia espiritual”.
Você sabe porque a monarquia não funciona no plano natural? (Ela só funciona no mundo espiritual…)
É porque o ser humano não consegue ser totalmente “justo”.
O coração do homem é enganoso e desesperadamente corrupto (Jer17.9), por isso a justiça dos homens é falha.
Mas a justiça do Rei Jesus é perfeita!
Ele nunca falha!
Ele é Fiel, Bom e Justo!
Podemos confiar na “monarquia espiritual” do Rei dos Reis!
O Rei é o Dono desse tesouro chamado Felicidade.
A Felicidade é um “presente” que não está a venda, só pode ser ganha!
Só o Rei pode dá-La a quem Ele quiser!
Você quer?

Paz! Sarah Sheeva
19.10.2010

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará…

 

 O Conhecimento da Verdade

 

Sábado passado (02/01/10) depois do culto, eu estava conversando com o Pr. Sergio Poral, meu discipulador e marido da minha discipuladora (Prª Cynthia Poral).

Só pra “variar”, falávamos das coisas de Deus… (rsrs)

Foi quando de repente, no meio da conversa ele falou uma frase fantástica:

 

“O que traz libertação é o conhecimento da verdade”

 

Fiquei maravilhada…

Por mais que eu já tivesse lido este versículo muitas vezes, eu ainda não tinha percebido que, não é apenas a verdade que liberta, mas é o conhecimento dela que nos liberta.

 

A verdade é Jesus e Sua Palavra:

João 14.6:

“Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.”

 

Em primeiro lugar, na prática, conhecer a verdade significa conhecer a pessoa de Jesus.

Em segundo lugar, significa saber de coisas (verdades) acerca da vida e da morte, de Deus e das trevas, de Jesus e de nós, da Palavra de Deus…

Significa saber de coisas que antes você não sabia.

É esse “saber” que abre a porta para que a Verdade te liberte, porque quando esse “saber” entra em você, quando esse “conhecimento” entra dentro de você, (com o uso do seu livre-arbítrio) finalmente você pode fazer sua escolha consciente do que está escolhendo, sem ser enganado pela mentira do diabo (e do seu sistema chamado: mundo).

 

Esta é a vontade de Deus para nós: que façamos as nossas escolhas sem a influência do diabo e do mundo, que possamos escolher por nós mesmos, sem interferências.

É por isso que Jesus falou do “conhecimento da verdade”… foi para nos libertar e para que escolhamos ele (o conhecimento… e não a ignorância ou a mentira).

E quando escolhermos conhecer a verdade, ela nos libertará.

O que é “ser liberto” pela verdade?

É quando a mentira já não te domina mais.

É quando a mentira não rege mais seus pensamentos e suas ações.

Mas para entendermos isso melhor, primeiro precisamos entender quem é a mentira.

 

A mentira

 

A mentira tem muitas faces:

Ela é humanista.

Ela também é incrédula, cética, ateísta… e ao mesmo tempo, a mentira diz que todos os caminhos levam o homem a Deus e a verdade. Mas isso é mentira (aliás, dizer isso é a cara dela).

A mentira não é burra, mas ela nos faz ficar “burros” e ignorantes…

Ela é inteligente o suficiente para se disfarçar de uma “verdade”.

Ela finge muito bem… se disfarça… mente.

É por isso que o nome dela é: mentira.

De onde ela veio? Onde será que ela nasceu?

Quem será o pai dela? Ela é filha de quem?

Quem foi que a criou, que “a viu crescer”, para que ela fizesse tudo isso?

A resposta está na Palavra de Deus.

 

Jesus disse aos fariseus (João 8.42-44):

“Replicou-lhes Jesus: Se Deus fosse, de fato, vosso pai, certamente, me havíeis de amar; porque eu vim de Deus e aqui estou; pois não vim de mim mesmo, mas ele me enviou. Qual a razão por que não compreendeis a minha linguagem? É porque sois incapazes de ouvir a minha palavra.

Vós (fariseus) sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele (diabo) não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”

 

Pois é, a mentira é “filha” do diabo… nasceu e veio dele.

Ser liberto pela Verdade é sair do domínio da mentira.

É sair do domínio da ignorância espiritual.

  

Verdadeiramente livre

 

Mas quem precisa de libertação? Libertação é para quem?

Ela é para mim e para todos que crêem em Jesus (como o Filho de Deus) e em Sua Palavra (Bíblia) como a Verdade.

Ou seja, libertação não é para os incrédulos e ímpios, é para os crentes… Para aqueles que crêem!

Ela é um “privilégio” dos crentes… somente dos crentes!

Enquanto estivermos vivos, sempre precisaremos de alguma “libertação”, porque o mundo em que estamos nos “bombardeia” e nos sufoca a todo tempo, tentando nos tirar da Verdade, tentando nos seduzir com suas mentiras…

A toda hora precisamos de alguma “libertação”: seja na mente (alma), corpo ou espírito, toda hora somos “bombardeados” pelo sistema.

Um filme que nós vemos, um livro que lemos, um site que entramos, uma música que ouvimos, uma imagem que vemos, ou até mesmo uma simples conversa, podem nos “contaminar” a ponto de tirar nossos olhos da Verdade.

Por isso a libertação é para quem tem o Sangue de Jesus, é um privilégio nosso.

Quem não tem o Sangue dEle sobre a sua vida, nem tem como ser liberto…

E essa também é mais uma grande verdade.

É o conhecimento da verdade que produz libertação.

A todo momento precisamos conhecer a verdade, mais e mais.

E quanto mais nós conhecermos a verdade, maior será a “libertação”, mais estaremos “no Altar” de Deus, e menos “no mundo”.

A libertação é que produz a tão sonhada liberdade.

(Leia o Post sobre Liberdade aqui no Blog: https://sarahsheeva.wordpress.com/2008/04/10/o-que-e-ser-livre/ ).

 

Em João 8.36 diz:

“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”

 

Todo mundo quer ser livre. Verdadeiramente.

Mas nem todos sabem que para isso é preciso conhecer a verdade.

  

Quem é liberto da mentira?

 

Somente quem conhece a Verdade é liberto.

 

João 8.54,55:

“Respondeu Jesus: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória nada é; quem me glorifica é meu Pai, o qual vós dizeis que é vosso Deus.

Entretanto, vós (fariseus) não o tendes conhecido; eu, porém, o conheço. Se eu disser que não o conheço, serei como vós: mentiroso; mas eu o conheço e guardo a sua palavra.”

 

Jesus estava nos mostrando que os fariseus não conheciam o Pai Celestial, e não conheciam a verdade.

Repare como Ele diz que, se não conhecesse o Pai (a Verdade) Ele seria mentiroso como os fariseus.

Ele deixa claro que, quem mente e vive na mentira, ainda não conhece a verdade. Portanto, quem mente, ainda não é liberto(a)… seja em um nível (alma), ou em outro (espírito), quem mente está com problemas. Problemas com a Verdade.

Porque se não tivesse problemas, não precisaria mentir, nem viver na mentira.

  

A mentira que mais aprisiona

 

Em minha opinião, a maior e mais perigosa mentira de todas (que nós crentes temos de ter conhecimento da verdade, e temos que vigiar) é o humanismo: A crença de que “nós temos o poder e etc…”

(Ouça a pregação sobre humanismo aqui no Blog:

https://sarahsheeva.wordpress.com/pregacoes-e-palavras/ )

 

O pensamento humanista de que “nós controlamos a nossa própria vida” é uma mentira das grandes…

Tem muito crente que não sabe nada sobre humanismo…

Muitos estão lendo “O Segredo” achando que é “o máximo”…

E mal sabem o problema que estão arrumando.

 

Esses dias eu estava lendo as notícias sobre o final do ano e me deparei com a situação terrível de algumas cidades que foram alagadas e prejudicadas pelas chuvas que ocorreram na virada do ano. Ao ler, me lembrei de algo que eu sempre digo nos púlpitos por aí:

“Se estamos vivos hoje, é porque Deus permitiu que chegássemos até aqui. Não é porque somos bons… mas é porque Ele é bom e escolheu ter misericórdia de nós” (Romanos 9:15 a 18).

Quando alguns dizem para mim que “não tem motivo para adorar a Deus”, porque estão com muitos problemas e etc, eu sempre digo:

“Adore a Deus, glorifique-o, e seja grato(a) a Ele pelo simples fato de você estar aqui agora, vivo, viva, (lendo este Post…) porque se Deus não tivesse te escolhido, você poderia não estar aqui.”

 

Em Jó 27.8 diz:

 

“Porque qual será a esperança do ímpio, quando lhe for cortada a vida, quando Deus lhe arrancar a alma?”

 

Ou seja (traduzindo): “Quem pode garantir que vai amanhecer vivo ou morto? Quem tem o poder sobre a vida e a morte?”

Com certeza não somos nós.

 

Em meio as notícias que li, uma das mais tristes que me chamou a atenção dizia assim:

“Em Cunha, no Vale do Paraíba, seis pessoas da mesma família morreram vítimas de um deslizamento de terra no bairro Barra do Bié na sexta-feira (1º). Apenas uma mulher sobreviveu ao desastre. Ela está internada no Hospital 9 de Julho, na capital paulista, e seu estado de saúde é considerado estável. No soterramento, ela perdeu o pai, a mãe, a irmã, o marido e dois filhos.”

 

Na hora que li isso a primeira coisa que pensei foi:

“Meu Deus! Que coisa terrível… que situação difícil essa mulher deve estar passando…” e fiquei refletindo sobre aquela situação: imagine perder todas as pessoas que você mais ama… que coisa horrível… Com certeza temos que orar por essas pessoas… 

E o Espírito Santo me lembrou que se estamos vivos aqui, se estamos bem… é porque fomos livrados (por Deus) de muitas situações.

Esta é uma grande verdade.

E o conhecimento desta verdade nos faz livres para adorar a Deus,

livres para amá-lo mais…

Livres para sermos mais gratos a Ele por tantos livramentos!

O conhecimento dessa verdade pode te levar a um novo nível de “libertação”, um nível onde você não se deixa mais levar pelas mentiras do humanismo, um nível onde você nunca mais vai depender das circunstâncias (das vitórias) para adorar a Deus…

Um nível onde o seu relacionamento com Deus será inabalável.

A verdade é que Jesus não mente, Ele sempre diz a verdade.

Viver não é fácil… Jesus nunca disse que era. Pelo contrário, Ele disse que teríamos tribulações… mas que deveríamos ter “bom ânimo” porque Ele venceu o mundo.

 

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”

(João 8.32)

Sarah Sheeva

06/01/2010

Eu reconheço que preciso de um Salvador…

Este vídeo ilustra que nós (humanidade) não somos capazes de salvar a nós mesmos… mas que Deus conhece o desejo do nosso coração – nossas vontades mais profundas – de sair do buraco (Ele conhece quando essas vontades existem, ou quando elas surgem num coração afundado no buraco).

Muitas vezes o “buraco” que estamos, que caímos, que “nos enfiamos”, é fundo demais… simplesmente não sabemos como sair dele… e ninguém consegue nos ajudar. Alguns dizem que devemos fazer isso ou aquilo, muitas “religiões” nos ditam dogmas e doutrinas… mas na verdade, a única coisa que devemos fazer, a única que realmente importa é nos relacionarmos com Deus (na pessoa de Jesus Cristo e Seu Espírito Santo), porque somente esse relacionamento (que é o contrário de um ato religioso, porque ele não é um ritual, mecânico, obrigatório, mas é algo espontâneo) somente ele nos aproxima mais de Deus.

No entanto, por si só, Deus já está próximo de nós. Fomos nós que nos afastamos dEle. Fomos nós que “demos ouvido à serpente…” fomos nós que não prestamos atenção no caminho… que não olhamos atentamente para o chão, e que não vimos o buraco bem a nossa frente… e caímos.

Depois que a humanidade caiu, todos tentaram (por meio da lei) agradar a Deus… mas foi em vão, porque ninguém conseguia ser totalmente aprovado. Até mesmo Moisés, um grande homem de Deus, no final da vida foi reprovado, e por isso não entrou em Canaã…(Dt 34.4) Até mesmo Elias, no final de sua batalha contra Jezabel, se acovardou (1Reis 19.4)… Todos erraram, todos tropeçaram… todos caíram em algum momento… ninguém nunca havia conseguido recuperar o direito espiritual de “voltar para casa”. Mas aí veio um homem. Ele não era apenas um homem, Ele também era o nosso Salvador… O próprio Deus encarnado… O “Eu Sou”… O Verbo que se fez carne. E foi Ele que nos salvou. Ele conseguiu nos tirar do buraco que nós mesmos nos enfiamos…

Antes dEle vir nós tentamos de tudo… mas tudo foi em vão.

E é exatamente isso que esse vídeo mostra: que antes de Jesus vir, o homem tentava (e tenta até hoje) de todas as maneiras, salvar a si mesmo… mas não adiantava. Quando Jesus vem, quando Ele chega em nossas vidas, é Ele quem nos salva… Ele é o único capaz disso, ninguém mais.

Ele disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém VEM ao Pai a não ser por Mim…(João 14.6)”

Depois da queda do Homem, a natureza humana passou a sofrer um terrível mal:

“A sensação de sermos indignos de ser amados…”

E, em minha opinião, o mistério mais profundo desse vídeo é a compreensão da nossa “justiça própria”: Um círculo vicioso em que a humanidade se encontra, em busca de alívio para essa terrível “sensação” de ser indigno de amor. Tentamos a todo custo nos tornarmos justos (e fazer justiça) por nós mesmos, tentamos a todo custo sermos “aceitos”, sermos amados por nossos méritos humanos…  tentamos de todo jeito salvarmos a nós mesmos dos buracos que nos enfiamos… mas não adianta, nada do que fazemos é suficiente. Nada disso nos preenche. Continuamos a nos sentir indignos de ser amados.

Porque? Por vários motivos.

Primeiro, porque o papel do diabo é esse, ele nos acusa 24 horas por dia de “não sermos dignos de ser amados”. E é por isso – por causa dessa acusação – que estamos sempre nos sentindo “culpados”, que sempre parece que não fizemos o “suficiente”… que estamos sempre buscando ter, ter, ter, ter… ou então:  fazer, fazer, fazer, fazer… em busca de aprovação, em busca de amor, de aceitação, em busca da felicidade…

Segundo, porque pensamos que sabemos o caminho, pensamos que sabemos a maneira que as coisas devem ser, devem acontecer… mas não sabemos. E por isso, por pensarmos que sabemos, nós só nos frustramos. Mas por incrível que pareça, quando nós finalmente nos frustramos com a nossa própria sabedoria humana, com a nossa “justiça própria”, Deus então vem mostrar para nós porque Ele é chamado de Salvador.

Depois que descobrimos que não adiantou ter, ter, ter, ter… fazer, fazer, fazer, fazer… Ele nos mostra que a única coisa que precisamos é: Ser, ser, ser, ser, ser…

Ser o quê?

Ser filho de Deus. Ser parecido com Jesus. Ser seguidor de Jesus. Ser santo como Ele é. Ser completamente apaixonado(a) por Ele…

Temos que nos lembrar que: “Ele nos amou primeiro…” (1João 4.19) O mérito não é nosso, o mérito é dEle.

Antes de nós o conhecermos, ou até mesmo sabermos da Sua existência, Ele já havia nos escolhido e nos amado. O amor dEle é imutável. Não há nada que possamos fazer para Ele nos amar mais, ou para Ele nos amar menos… Isso é imutável.

Veja bem, algumas coisas na vida Cristã não são de graça… por isso Jesus disse: “Quem quiser me seguir, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e (depois disso) siga-me…” (Mt 16.24). Ou seja, para segui-lo temos que (pelo menos): Negar a nós mesmos e tomar a nossa cruz…

(negar a nós mesmos significa: negar as nossas vontades. E tomar a nossa cruz significa: fazer a vontade de Deus, uma vontade que nem sempre nos agrada, que parece absurda, mas que é a melhor).

Mas há duas coisas na vida Cristã que são de graça, de graça mesmo: A Salvação e o AMOR de Deus por nós.

Ele simplesmente nos amou. Decidiu nos amar… nós não merecemos mesmo esse amor, mas nós recebemos, ou seja, aceitamos – mesmo sem compreender – esse grande AMOR que Ele tem por nós .

Esses dias estou gravando uma de minhas músicas favoritas do novo CD, ela tem tudo a ver com essa mensagem, e se chama: “Jamais te Deixarei”. Eu a recebi do Senhor em 2005.  Leia um trecho da letra.

Jamais te Deixarei

(Letra e Música: Sarah Sheeva)

“Jamais te deixarei, jamais te abandonarei, porque eu te amo amado da minh’alma.

…E o que mais me impressiona é saber que as minhas fraquezas te atraem pra mim… E o que mais me emociona é saber que tudo o que me falta eu encontro em Ti… Pois Tu és forte, em tudo o que sou fraco, e Tu é capaz de tudo o que eu não sou, pois em Ti está a força, e em Ti há Poder, eu reconheço que preciso de um Salvador…”

Mais uma vez o Senhor me salvou de mim mesma…

No dia em que eu recebi essa música foi assim, eu descobri que a minha “derrota” é a “vitória” de Deus na minha vida…

Ou seja, quando eu finalmente descubro que eu não sou,

aí eu descubro que Ele é.

O que Ele é?

Ele é tudo o que eu não sou.

E o que eu não sou?

Eu não sou nada.

E o que Ele é?

Ele é Tudo.

Nele eu posso viver… Nele eu  posso todas as coisas…

Não em mim, mas Nele.

Eu Nele e Ele em mim.

“…já não vivo eu, mas Cristo vive em mim…” (Gálatas 2.20)

Sarah Sheeva

06/08/2009

Somos servos de quem obedecemos…

Somos servos de quem obedecemos

 

Todos nós somos servos de alguém…

Alguns podem pensar que mandam em suas próprias vidas… Mas será que mandam mesmo?

Se uma pessoa tiver de entrar em uma mesa de cirurgia, às pressas, quem garante que tudo sairá bem? O médico?

Será que a pessoa que estará sedada e, portanto inconsciente, pode garantir alguma coisa?

Quem poderá garantir que tudo sairá bem?

Ou quem tem o poder sobre a vida e a morte daquela pessoa? Ela mesma?

O médico?

Com certeza nenhum ser humano tem o poder de determinar o resultado. Podemos até fazer planos, usar do nosso conhecimento e sabedoria humanos… Mas se Deus não nos favorecer, tudo será em vão.

“O coração do homem planeja o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos.”

(Provérbios 16.9)

 

A palavra “Senhor” significa “Dono”.

Quem tem sido o dono da sua vida? Você mesmo?

Quem é o Dono, o verdadeiro Dono?

De quem você depende? Do homem? Do seu trabalho? Da economia e etc?

De você mesmo?

Quem rege a sua vida? O seu humor? O dia a dia?

Quem tem determinado o seu “estado de espírito”? As circunstâncias? Você mesmo?

Ou a Palavra de Deus?

Quem “manda” em você? Quem determina a sua vida?

A  quem  você tem obedecido?

 

(Leia com atenção, e você vai descobrir).

 

A pessoa a quem nós obedecemos damos o “poder ” de ser o nosso “senhor”, o nosso dono, quem (ou o quê) nos domina.

Se nós obedecemos a Deus, então somos servos de Deus.

Mas se obedecemos ao pecado, à vontade da nossa carne, então somos servos do pecado e da nossa carne.

 

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado.”(João 8.34)

 

A palavra “servo” também significa “escravo”.

Aquele que “comete” significa “aquele que pratica”.

Praticar também é obedecer.

Por exemplo, podemos estar “obedecendo” a uma crença, a uma “programação” da infância, a um ensinamento, a uma tradição, a um sentimento, a uma emoção, ou a uma simples vontade… mas sempre estamos obedecendo a “alguém”.

Podemos nos tornar escravos das nossas práticas, se formos fiéis a elas mais do que somos fiéis a Deus e a Sua Palavra.

Somos “escravos” de quem obedecemos, porque se obedecemos, estamos dizendo que aquilo (ou aquela pessoa) é o “nosso dono”.

Se nós obedecemos, estamos consentindo, dando o poder (para quem é o nosso senhor/dono) de nos dominar, de mandar em nós, de determinar o que faremos ou não faremos.

 

João 8.28-34:

28- Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do homem, então conhecereis quem eu sou, e que nada faço por mim mesmo; mas falo como meu Pai me ensinou (“Não faço o que quero, obedeço aos ensinamentos do Pai celestial”).

29- E aquele que me enviou está comigo. O Pai não me tem deixado só, porque eu faço sempre o que lhe agrada (“Eu sempre faço o que Ele quer que Eu faça… Ele lidera, Ele manda… Ele é o Dono…”).

30- Dizendo ele estas coisas, muitos creram nele.

31- Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos (“verdadeiramente sereis meus seguidores, sereis parecidos comigo”);

 32- E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (“e a conseqüência disso será: vocês conhecerão a verdade – como Eu conheço. A verdade que sou Eu mesmo – e então vocês serão livres do pecado, do mundo, da carne, das suas vontades… vocês serão livres – deixarão de ser escravos – de seus senhores, de suas vontades…”).

33- Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém (“nunca fomos escravos de ninguém, somos o povo descendente da promessa”); como dizes tu: Sereis livres? (“Porque precisamos ser livres se não somos escravos de ninguém? De quem precisamos ser livres? De quem – ou do quê – nós somos prisioneiros?).

34- Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete (que pratica, que tem vontade e é dominado pelo) pecado é servo do pecado.(é escravo do pecado).

 

Esse último versículo mostra que, aquilo que fazemos revela quem é o nosso dono.

É por isso que as nossas vontades têm de estar subjugadas ao Espírito Santo (à vontade do Espírito Santo), porque se não, se a nossa vontade nos dominar, ela será o nosso “senhor” (dono), e seremos seus escravos por fazermos exatamente o que ela (a nossa vontade) quer.

Nossas atitudes revelam o nosso querer, revelam a nossa motivação.  O nosso querer revela quem tem governado sobre nós, quem tem nos motivado. Ou seja, as nossas vontades (querer) mostram quem é o nosso “senhor”, porque nós sempre fazemos o que decidimos fazer, o que queremos…  Ou porque temos vontades de fazer, ou porque agimos por fé.  Mas mesmo quando agimos por fé (crendo na Palavra de Deus e ignorando nossas vontades, ignorando as circunstancias, mesmo assim) estamos  fazendo o que decidimos com nosso livre-arbítrio.  Ou seja, estamos fazendo o que queremos.

Deus não viola o nosso livre-arbítrio, Ele determinou que seria assim. Que nós decidiríamos certas coisas… Que nós não seríamos “marionetes” manipuladas por Ele ou por outros… Mas que teríamos o direito de fazer o que queríamos (ou não queríamos) das nossas vidas, para que Ele soubesse exatamente o quê, e Quem nós queríamos. É a maneira como Ele sabe sobre nós, se estamos decidindo eternamente por Ele ou não.

Por causa dessa liberdade de escolha que Ele nos deu, às vezes queremos o pior… isso acontece quando a nossa carne nos influencia, nos sugestiona, e quando damos vazão a ela… E quando damos vazão a ela, damos “poder” a ela, damos “força” a ela, damos o direito a ela de nos influenciar.

Nossas vontades não devem governar sobre nós… porque elas são enganosas. 

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jeremias 17.9)

(Coração=alma=mente, pensamentos, vontades, emoções…)

As nossas vontades são corruptíveis, são influenciáveis… por isso elas não são seguras (“enganoso é o coração…”).

Segura e confiável é a vontade de Deus, que é boa, perfeita e agradável. Por isso devemos obedecer a vontade de Deus, e não a nossa.

Uma coisa que agrada a Deus profundamente é quando nós entregamos o nosso “querer” a Ele, porque Ele sabe que nós não somos obrigados a fazer isso, Ele sabe que se fizermos isso, é porque nós QUEREMOS.

Dessa forma seremos verdadeiros servos de Deus, e não servos da nossa carne e do pecado.

Teremos de decidir:

Servo de Deus ou do pecado?

Escravo de Deus ou das nossas vontades?

Se eu tiver de escolher entre dois ou mais “senhores”, eu prefiro ser escrava de Deus (que é justo e bom Senhor e Dono) do que ser escrava da minha carne (que é enganosa e traiçoeira), e do que ser escrava do pecado (que vem do caráter do diabo).

É uma questão de inteligência…

“Porque, quem conheceu a mente do SENHOR, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.”

(1Coríntios 2.16)

 

Rejeite o “espírito de burrice” que tem feito muitos crentes fazerem a escolha errada, e receba a “mente de Cristo”, que é, em outras palavras, a inteligência de Cristo, que nos faz fazer a escolha certa.

                     

                       Que Deus te abençoe,

 

Sarah Sheeva

02/07/2009